Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Em tempos de isolamento, não se cobre tanto a ser produtiva

Neste episódio do podcast "Senta lá, CLAUDIA", discutimos como preservar nossa saúde mental durante o confinamento

Por Da Redação - Atualizado em 6 abr 2020, 17h02 - Publicado em 4 abr 2020, 16h39

É provável que, assim como bilhões de outras pessoas ao redor do mundo há semanas, você esteja em confinamento em casa como medida para reduzir a disseminação do novo coronavírus. E, além da angústia e ansiedade desencadeadas pelo temor em relação à doença, nossa mente invariavelmente se perde em pensamentos sobre como deveríamos ou não estar usando nosso tempo reclusas.

Entretanto, em vez de ideias que nos confortem e nos ajudem a relaxar em um momento tão difícil, são muito mais frequentes as comparações com a rotina de outras pessoas (a partir do que vemos nas redes sociais, em que todo mundo mostra o melhor de si, claro) e a sobrecarga mental pelas novas atividades “para fazer antes de o apocalipse chegar” que aparecem o tempo todo em nossos feeds.

Trabalhando ou afastada de uma rotina laboral – com a soma para as mulheres que são mães de os filhos estarem fora da escola –, devemos aceitar que não seremos, nesse momento, tão produtivas quanto antes e que é bem provável que a gente não tenha como nos dedicar a novos hobbies ou aprender habilidades extraordinárias. E tudo bem.

Neste episódio do podcast Senta lá, CLAUDIA, a editora Letícia Paiva conversa com a terapeuta Gabriela Sayago. Psicóloga e pedagoga, ela ensina como não cair nas armadilha de autocobranças e o que é essencial colocar em prática para preservar sua saúde mental durante o período de confinamento.

Ouça ao podcast no YouTube:

Ouça no Spotify:

Você pode ouvir o podcast Senta Lá, CLAUDIA aqui no site e também no Deezer, no iTunes, no Spotify, no YouTube, e Google Podcasts!

Continua após a publicidade
Publicidade