Tiroteio em escola: imprensa internacional destaca posse de armas

Os veículos também relembraram outros casos de tiroteio no país

Na manhã desta quarta-feira (13), dois atiradores abriram fogo contra alunos e funcionários de uma escola em Suzano, São Paulo. Ao menos oito pessoas morreram no tiroteio, sendo cinco alunos, duas funcionárias da escola e um funcionário de loja de carros, localizada perto da escola. Os dois rapazes se suicidaram.

A polícia confirmou, na tarde de hoje, que os autores do tiroteio eram ex-alunos da Escola Estadual Raul Brasil. Os acusados foram identificados como Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, 25. Ainda não se sabe o que motivou o crime.

A mídia internacional repercutiu o caso. O The New York Times, a BBC e o The Guardian escreveram que tiroteios dessa natureza são raros no Brasil, apesar de o país ser um dos mais violentos do mundo. Os três veículos reiteraram que a tragédia aconteceu na mesma época em que o atual presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, tenta flexibilizar a posse de armas para cidadãos sem antecedentes criminais.

Eles recordaram um caso parecido com o de Suzano, em que um ex-aluno de uma escola em Realengo, no Rio de Janeiro, atirou em estudantes, em 2011, deixando treze mortos.

Leia mais: Encapuzados invadem escola e matam crianças e funcionária

Merendeira escondeu 50 alunos na cozinha durante tiroteio em escola

Outro tiroteio foi relembrado pela imprensa internacional. O The Washington Post citou o caso em que um homem matou cinco pessoas dentro de uma igreja, em Campinas, no final de 2018.

O presidente Jair Bolsonaro se pronunciou durante a tarde sobre a tragédia em sua conta no Twitter. Bolsonaro classificou o massacre como “monstruosidade e covardia”.

Newsletter Conteúdo exclusivo para você
Aceito receber ocasionalmente ofertas especiais e de outros produtos e serviços do Grupo Abril.
Política de Privacidade