Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Combate à violência contra a mulher vira tema na sala de aula

Lei aprova criação da Semana de Combate à Violência contra a Mulher. Alunos também vão aprender sobre enfrentamento a outras formas de agressão

Por Ligea Paixão (colaboradora)
Atualizado em 14 jun 2021, 19h28 - Publicado em 14 jun 2021, 17h45

Estudantes da educação básica da rede pública e privada vão passar a contar em seu calendário escolar com a Semana Escolar de Combate à Violência contra a Mulher, que deve ocorrer anualmente no mês de março.

O marco foi criado a partir da Lei 14.164/21, sancionada pelo presidente do Brasil Jair Bolsonaro (sem partido) na última sexta-feira (11), que altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

A norma, que teve sua proposta aprovada pela Câmara dos Deputados em maio deste ano, busca disseminar conhecimento sobre a Lei Maria da Penha e igualdade entre homens e mulheres.

O projeto também determina que conteúdos relativos aos direitos humanos e às formas de prevenção de violência contra a mulher, crianças e adolescentes devem ser incluídos no currículo acadêmico. Assim, tanto a comunidade escolar como a sociedade no geral podem trabalhar juntas no enfrentamento das diversas formas de agressão.  

“Nós entendemos que a cultura de paz deve ser trabalhada em todo o sistema educativo”, opina Lia Noleto, assessora técnica na Secretaria da Mulher na Câmara dos Deputados e sócia do Ferraresi Cavalcante-Advogados. “A mulher, em especial, precisa que essa inclusão seja feita e que esta prevenção seja disseminada. Isso mudará a forma coletiva de compreender a violência como uma coisa natural.”

Continua após a publicidade

 

“Esta Lei é uma inovação muito importante, uma conquista para o nosso tempo”

Sobre a forma de abordagem destes temas, a assessora explica que todas as faixa etárias terão acesso aos conteúdos que falam sobre as violências, mas que “os materiais serão produzidos de acordo com cada nível de ensino”, sinaliza.

“O espaço escolar é muito importante para a criação de uma consciência crítica, principalmente coletiva, sobre a importância da luta contra a violência”, defende Lia.

Continua após a publicidade

“Ao trabalharmos com as crianças ainda em formação, inclusive questionando vários aspectos que elas podem vivenciar em suas casas, podemos romper com este ciclo e com a repetição deste comportamento”, garante a profissional.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.