CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR R$ 14,90/MÊS

Nova primeira-ministra do Peru é feminista e defende os direitos humanos

Mirtha Lopez é a advogada defensora dos direitos humanos, ambientalista e feminista que assume o cargo no país

Por Da Redação Atualizado em 7 out 2021, 13h20 - Publicado em 7 out 2021, 13h04

Nas últimas semanas, o Parlamento do Peru vivenciou diversas tensões com pedidos de saída de vários ministros. Na noite desta quarta-feira (6), então, o primeiro-ministro Guido Bellido entregou sua demissão e foi substituído por Mirtha Lopez, uma advogada feminista, ecologista e defensora dos direitos humanos. Então, um novo gabinete ministerial foi formado em seguida.

Em um comunicado na televisão do país na tarde de quarta-feira, Pedro Castillo, presidente peruano, anunciou que havia aceito a demissão do primeiro-ministro e pediu para que ele se retirasse “em nome da governabilidade”.

Mirtha Lopez assumiu o cargo em uma cerimônia no palácio do governo, onde prestou juramento na presença do presidente peruano, que foi retransmitida pela emissora pública de televisão. “Por Deus, por este país de mulheres e homens, que todos os dias lutam para viver na dignidade, sem discriminação e que promovem verdadeiras mudanças, sim, eu juro”, afirmou a nova primeira-ministra.

A partir dessas mudanças, Pedro Castillo espera ver o fim das tensões que marcaram os primeiros meses de seu mandato. Desde que assumiu o cargo de primeiro-ministro, Bellido foi alvo de críticas de deputados de diversos partidos sobre sua falta de preparo e pela proximidade com Vladimir Cerron, o fundador e chefe do partido de esquerda radical, Peru Livre, que foi essencial para que Castillo assumisse a presidência.

As principais críticas são sobre suas declarações polêmicas e provocativas, feitas na maioria das vezes pelas redes sociais, onde ele contradizia constantemente o presidente. 

A decisão tomada por Castillo foi elogiada pela presidente do Congresso, Maria Carmen Alva, nas redes sociais. Ela parabenizou a medida e garantiu que “o Congresso está aberto ao diálogo e à governabilidade”.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade