O drama da palavra ‘realeza’ na vida de Meghan e Harry

Casal divulga todos os detalhes da negociação com a Família Real no site Sussex Royal, que terá que mudar de nome a partir de abril

A Rainha disse não.

O casal aceitou. Mas não em silêncio.

Em reposta oficial à proibição da Rainha de que usem a marca Sussex Royal uma vez que não mais são membros ‘senior’ da Família Real, Meghan Markle e príncipe Harry deram a versão deles para mais um combate com a Família Real:  “Embora não exista jurisdição em nenhuma parte do mundo para Monarquia ou Palácio sobre o uso da palavra ‘realeza’, o Duque e a Duquesa de Sussex não têm a intenção de usar “Sussex Royal” ou nenhuma referência à palavra “Realeza” em nenhum território (fora ou dentro do Reino Unido) quando a transição acontecer na primavera de 2020″, diz a nota.

Assim se confirma e encerra um dos pontos mais sensíveis de toda novela entre Meghan-Harry e a Família Real.

No site do casal, ainda com a marca Real, os dois entram em detalhes abrindo todo o jogo e todos os pormenores da negociação, desafiando mais uma vez a preferência da Família Real de tratar os assuntos de família de forma privada. Aqui tem o acesso para o texto na íntegra em inglês.

Claro que se de fato os dois não se importassem com a marca, não teriam se dado ao trabalho de divulgar a cutucada na Rainha, porque a nota é um pouco agressiva. Porém, desde o início da crise familiar que levou ao afastamento dos dois ficou muito claro que as visões de mundo são impossíveis de adequar de forma que os dois lados ‘fiquem bem’. 

De um lado, a tradição, o protocolo e regras rígidas que não são questionadas. De outro a vontade de mudar, de ‘mudar já’ e não seguir modelos datados que não têm muito sentindo em uma sociedade moderna. A tristeza e angústia de se tratar também de uma questão familiar fazem da novela do Sussexit irreversível quando a conclusão é simplesmente o rompimento.

De acordo com a nota, Harry mantém seus títulos militares, mas o casal aborda duas questões sensíveis: eles ressaltam que embora outros membros da Família tenham trabalho independente e retenham os títulos, que os dois terão 12 meses de transição para serem completamente afastados da Família. Os dois também confirmam que os súditos seguirão pagando pela segurança particular dos três, pela proteção do príncipe, seu filho e sua esposa.

Especialistas e a imprensa britânica mais uma vez criticaram duramente a transparência do casal a considerando uma agressão pessoal à Rainha.  Já a imprensa americana, especialmente o site PageSix, o primeiro a descobrir a palestra de Meghan e Harry em Miami, a nota no site foi ditada por Meghan (não Harry), e a ex-atriz não entende como a Rainha e a Família Real não entendem  que eles não querem lucrar em cima da realeza, mas proteger o uso indevido da marca. Além disso, o site diz que ela ficou muito contrariada de ter que abrir mão do SussexRoyael”., mas que sabe que o sucesso garantido dela e Harry não depende em nada disso.

“Meghan diz que as causas globais que eles estão apoiando falam por si mesmas”, diz um amigo.  “Ela diz a todos amigos que o sucesso dos dois é inevitável. Além disso, Harry e Archie tem sangue azul e ninguém pode tirar isso deles. Como família, eles sempre serão considerados realeza”, acrescenta.

No momento, o bem-estar de Archie é o grande motivador de toda decisão do casal. O amigo diz que Archie tem uma “personalidade marcante, como o pai”. 

No momento as redes brincam como eles podem adaptar a marca. Uns sugerem, Suss-EX Royals (ex- realezas, do inglês). H&M, que seria o apelido que os dois se chamam (ela o chama de “H” e ele a chama de “M”), não está disponível.

Vai ser curioso ver Harry, Meghan e a Família juntos novamente, como são esperados, dia 9 de março, para uma cerimônia do Commonwealth Day.

Harry e Meghan encerram suas atividades como membros da Família Real dia 31 de março. A partir de 1º de abril eles estarão por conta própria.

E não é dia da mentira.