Morre a advogada Eunice Paiva

Ativista passou mais de 40 anos em busca de esclarecimentos sobre a morte do marido, desaparecido durante regime militar

A advogada Eunice Paiva, uma das protagonistas do movimento por buscas de desaparecidos no regime militar no Brasil, morreu nesta quinta-feira (13), aos 86 anos. Mulher do deputado Rubens Paiva, assassinado em 1971, e mãe de cinco filhos, entre eles o escritor Marcelo Rubens Paiva.

Eunice passou mais de 40 anos em busca de esclarecimentos sobre a morte do marido, que nunca teve o corpo encontrado. Ao lado de Zuzu Angel, Crimeia de Almeida, Inês Etienne Romeu, Cecília Coimbra, e outras mulheres, liderou campanhas pela abertura de arquivos sobre vítimas da ditadura. A pesquisa de Eunice e de sua família foi uma das ações que contribuíram para o esclarecimento do caso após décadas.

Rubens Paiva foi recolhido pela polícia no dia 20 de janeiro de 1971 na casa em que morava com a família no Rio de Janeiro. A família só conseguiu um atestado que oficializasse a morte em 1996. A primeira prova objetiva de seu assassinado só foi encontrada 41 anos depois, em novembro de 2012, com uma ficha que confirmava sua entrada em uma unidade do DOI-Codi.

Mais lidas: Mãe cancela chá de bebê depois de família criticar o nome da criança

+Casal segura menino de 6 anos para que filho o agrida; veja vídeo