Menina vive ligada à energia elétrica; “se faltar luz, minha filha morre”

Rafaela Ribas, de 13 anos, depende de aparelhos ligados a tomadas e vive em bairro onde a queda de luz é constante

Rafaela Ribas, de 13 anos, sofre de paralisia cerebral e sua vida depende de aparelhos que funcionam com energia elétrica instalados em sua casa, em Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio. Por isso, as constantes queda de luz do bairro Jardim Olinda, onde sua família mora, tiram a paz de sua mãe, Simone Costa. “Se faltar luz, a minha filha morre”, disse ao G1.

A falta de energia elétrica está sendo investigada pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, pela Câmara e pelo Procon. A concessionária Enel já prometeu um gerador para Simone, mas a mãe ainda espera.

Entre os aparelhos essenciais para a vida de Rafaela estão três cilindros de oxigênio e um aspirador nasal. O ar condicionado deve ficar ligado 24 horas para prevenir infecções.

A menina também precisa de um compressor, chamado Bipap, para auxiliar na respiração durante o sono, evitando episódios de apneia – interrupção das vias aéreas, que pode levar ao infarto, acidente vascular cerebral (derrame), entre outras consequências graves.

Nos dias em que há queda de luz, o nobreak, espécie de gerador, garante o funcionamento das máquinas por apenas duas horas. A cada minuto que passa, o desespero da família aumenta e a esperança diminui.

“Me sinto vazia, inútil… Ao mesmo tempo que eu sou uma mãe guerreira, me sinto de mãos e pés atados sem poder dar um suporte para ela”, desabafa Simone.

O quadro de Rafaela

Rafaela nasceu com paralisia cerebral, mas teve o quadro agravado depois de passar por uma cirurgia, em setembro de 2018. A família aponta para o erro médico, pois a menina foi “esquecida” do balão de oxigênio, o que ocasionou, segundo a mãe, em uma parada cardíaca.

Em outubro do ano passado, a jovem saiu do hospital e passou a depender dos equipamentos. Rafaela é “Cliente Vital” da Enel, ou seja, a empresa tem ciência da gravidade da deficiência da garota e dá prioridade a ela no fornecimento de energia.

Mesmo assim, a família ainda enfrenta momentos de tensão e desespero devido às quedas de luz, como aconteceu no dia 25 de março deste ano. Um poste pegou fogo e a luz só retornou por conta de uma ligação entre dois postes, feita pela própria concessionária, nos últimos momentos de funcionamento do nobreak.

“Se não fosse isso, eu teria ficado sem luz de 22h50 até 4h59, que foi o que aconteceu com o restante dos moradores. Minha filha teria morrido…”, afirma Simone.

Depois do ocorrido, a Enel prometeu a entrega de um novo gerador, mas a família ainda não o recebeu. “Minha pergunta é: Para que serve ser cliente vital se eu continuo sem luz quando há queda? A gente fica nessa apreensão 24h por dia”, disse o pai, Rafael Ribas.

Quedas constantes de luz sob investigação

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) entrou com um pedido de esclarecimento sobre as quedas de fornecimento de energia elétrica no dia 20 de março. Segundo o MP, o órgão recebeu constantes reclamações acerca da falta de luz aos consumidores de Arraial do Cabo, Armação dos Búzios e Cabo Frio.

O Procon também investiga as quedas de energia. As denúncias são frequentes desde 2015, de acordo com o órgão. Em 2018, foram feitas 118 reclamações.

Leia mais: Garoto autista vence prêmio internacional de pintura e emociona professora

Pai desmaia no parto do filho, cena rende risadas da esposa e viraliza

Siga CLAUDIA no Youtube