Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Menina de 7 anos arrecada US$ 23 mil para tornar sua escola mais inclusiva

Madison Wilson deseja levar mais representatividade à sua escola com novas obras infantis e também com gizes de cera com variedade de cores de pele

Por Da Redação Atualizado em 18 jul 2020, 11h30 - Publicado em 18 jul 2020, 14h00

Madison Wilson, uma garotinha de 7 anos, arrecadou cerca de 23 mil dólares para comprar giz de cera que incluíssem outros tons de “cor de pele” e livros que trouxessem mais diversidade racial entre seus personagens para doá-los à sua escola, em Santa Barbara, Califórnia. A história foi contada pelo The Washington Post.

Tudo começou quando ela e sua mãe assistiam ao longa Malévola: Dona do Mal. Vashti Wilson notou que havia um personagem negro na sequência do filme estrelado por Angeline Jolie. Tratava-se de Conall, interpretado por Chiwetel Ejiofor

Isso fez com que o assunto “representatividade” entrasse em pauta entre mãe e filha. Vashti contou à Madison que todos seus livros favoritos de infância traziam personagens brancas, loiras e de olhos azuis como protagonistas.

A pequena percebeu que a maioria dos livros que lia para a escola também não trazia personagens parecidos com ela. Outra frustração de Madison foi a falta de um giz de cera que representasse a cor de sua pele em seu estojo, distribuído pela escola.

Foi assim que ela teve a ideia de iniciar uma espécie de vaquinha para arrecadar fundos para conseguir comprar novos tons de giz de cera que representassem a diversidade entre as pessoas. Além disso, ela também estava empenhada em comprar livros que incluíssem mais personagens negros.

Continua após a publicidade
Acervo pessoal/Reprodução

O desejo da garotinha, que acabou de terminar a segunda série, é ajudar outras crianças negras a se sentirem aceitas e representadas quando lerem os livros que planeja doar e fizerem desenhos com seus novos gizes de cera. “É importante porque quando uma criança não vê alguém como ela em um livro, ela se sente excluída”, declarou Madison ao Washington Post.

Por meio do site GoFundMe, Vashti e sua filha conseguiram, inicialmente, 3 mil dólares. Mas com o tempo, as arrecadações foram aumentando. Desde o dia 19 de junho, mais de US$ 23 mil (cerca de R$ 123.919,40, convertidos com o valor atual do dólar), quantia suficiente para comprar livros, giz de cera e papéis coloridos com maior diversidade de cores e mais representativos para cerca de 500 crianças da escola de Madison e mais outras quatro em Santa Barbara.

Mãe e filha agora lutam para conseguir uma resposta da Crayola, empresa de produtos de papelaria e arte. Vashti contou ao Washington Post que enviou dezenas de e-mails e ligou várias vezes para a companhia, na esperança de conseguir 3 mil caixas de giz de cera da coleção Colours of The World (Cores do Mundo, em tradução livre), prevista para ser lançada ainda durante o verão norte-americano (o nosso inverno). A nova linha trará 24 cores especialmente formuladas para representar a diversidade racial.

Mesmo durante as férias, Madison já tem um livro favorito entre os que planeja entregar à sua escola. Intitulado The Big Bed (A Cama Grande, em tradução livre), a obra é sobre uma garotinha que se cansa da cama de criança e planeja tomar o lugar do pai dela na cama de casal, para dormir ao lado de sua mãe.

“Eu gosto desse livro porque quando eu leio eu vejo essa menina igual a mim, exatamente como eu”, disse ela ao jornal estadunidense. “Ela tem os mesmos segredos que eu, cabelo dela é igual ao meu e ela tem o mesmo tom de pele que eu. Eu sorrio quando eu leio esse livro”, finaliza.

  • Conversando sobre notícias ruins com as crianças

    Continua após a publicidade
    Publicidade