Marchas feministas contra violência de gênero na Europa

Durante o sábado (24), várias pessoas se reuniram para lutar pelo fim das violências sexitas

Convocados por um coletivo civil, milhares de manifestantes se concentraram na França, no sábado (24), para protestar contra as “violências sexistas e sexuais”. A mesma iniciativa pode ser observada em várias cidades europeias.

Em Paris, o cortejo marchou rumo ao leste da capital, para se afastar das manifestações dos “coletes amarelos”, que protestavam contra a alta nos impostos dos combustíveis.

Segundo Caroline de Haas, organizadora da manifestação, 50.000 pessoas se concentraram na França. Desse número, 30.000 marcharam em Paris, contra um número de 2.000 obtido no ano anterior. Já as autoridades, contabilizaram 12.000 manifestantes na capital francesa.

Os participantes da marcha estavam vestidos de violeta e reivindicavam “o fim da impunidade dos agressores” e “meios econômicos suficientes”.

“Estou aqui para apoiar todas as vítimas e continuar essa luta que começou muito antes que eu”, declarou a atriz francesa Muriel Robin, para o Universa, que reuniu mais de mil mulheres em outubro em Paris contra a violência doméstica.

O movimento #NousToutes (Todas nós), criado em setembro, é apoiado por várias associações e espera “passar do testemunho à acção”. Segundo uma dado de 2016, na França, 123 mulheres sofrem com seus companheiros ou ex-companheiros. Diariamente são violentadas mais de 250 mulheres.

Na véspera do Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra a Mulher (25), outras manifestações também foram organizadas em várias cidades europeias.

Estão previstos para hoje (25) outros protesto, tanto na capital espanhol quanto em Barcelona e outras cidades espanholas.

Leia também: Ministro diz que “políticos poderosos” estão por trás de morte de Marielle

Outras mulheres foram vítimas dele, revela atriz que gravou agressões

Siga CLAUDIA no Instagram