Luis Felipe Manvailer vira réu por crimes de feminicídio, cárcere e fraude

Preso em penitenciária no Paraná, o rapaz é suspeito de matar a advogada Tatiane Spitzner, e teria tentando se suicidar

Foi aceita pela juíza Paola Gonçalves Mancini, da 2º Vara Criminal de Guarapuava, a denúncia do Ministério Público do Paraná (MPPR) contra Luis Felipe Manvailer, professor universitário acusado de matar a esposa, a advogada Tatiane Spitzner, no último dia 22 de junho.

Além do assassinato da moça, classificado pelo MP como feminicídio, Luis Felipe responderá pelos crimes de cárcere privado, fraude processual e homicídio qualificado por meio cruel, impossibilidade de defesa da vítima e motivo torpe. Lembrando que são classificados como feminicídio, crimes motivados pelo fato de a vítima ser mulher.  

Luis Felipe Manvailer, acusado de matar a esposa, está preso em Guarapuava e teria tentado suicídio.

Luis Felipe Manvailer, acusado de matar a esposa, está preso em Guarapuava e teria tentado suicídio. (Reprodução/Facebook)

No documento apresentado pelo MP, são relatadas as diversas agressões sofridas por Tatiane após ela e Luis Felipe se desentenderem, em razão de mensagens que o rapaz teria recebido em redes sociais. O que caracterizou a ação do professor como sendo por motivo fútil e desproporcional. Os promotores que atuam no caso, Dúnia Serpa Rampazzo e Pedro Henrique Brazão, afirmam ainda que o laudo da perícia mostra que a vítima teria sido enforcada pelo marido.

Acusado tenta suicídio

Preso na Penitenciária Industrial de Guarapuava, Luis Felipe nega as acusações e diz que a esposa se jogou espontaneamente da janela do apartamento onde viviam. Sua defesa alega que o casal mantinha um relacionamento “feliz”, mas não se pronunciou sobre as repetidas agressões que a advogada sofreu antes de morrer, registradas pelas câmeras do prédio onde o crime aconteceu.

Nesta terça-feira, 7, foi solicitada a transferência do acusado para um complexo médico penal na região metropolitana de Curitiba, visto que ele teria tentado se matar com uma lâmina de barbear. O documento entregue pelo advogado Cláudio Dalledone Júnior, que defende o suspeito, pede “medidas imediatas” pois “o risco de suicídio é iminente”. O pedido está em análise pela Vara de Corregedoria dos Presídios de Guarapuava.

Já os advogados que representam a família de Tatiane afirmam que não há laudos de médicos ou imagens dos ferimentos causados na tentativa de suicídio. O que deve levar a uma negativa para a transferência. 

Leia também: Morte de advogada será denunciada como feminicídio 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s