Jornalista da BBC se demite por causa de desigualdade salarial

Depois da saída devido a salários diferentes para homens e mulheres, quatro jornalistas da emissora aceitaram reduzir seus rendimentos

Depois da saída da jornalista Carrie Gracie da BBC por causa da sua indignação com as diferenças de salários entre homens e mulheres na redação, quatro jornalistas do sexo masculino da emissora aceitaram nesta sexta-feira (26) diminuir o que recebem.

Entre eles estão alguns dos maiores salários da emissora, como os apresentadores Jeremy Vine e John Humphrys, além de Huw Edwards (editor de notícias) e Jon Sopel (correspondente),  de acordo com o site da BBC.

Leia também: Igualdade salarial entre homens e mulheres só chegará em 170 anos 

Carrie ocupava um cargo com as mesmas funções de Jon, porém o correspondente faturou em 2017 cerca de 200 a 250 mil libras, enquanto ela, na China, 135 mil libras.

A jornalista ocupava o cargo de correspondente da BBC na sucursal chinesa por mais de 30 anos, e seu desligamento da empresa veio em forma de carta, onde declarava que “os dados mostraram uma indefensável brecha salarial entre homens e mulheres que fazem o mesmo trabalho”.

Tony Hall, atual diretor-geral da BBC, comprometeu-se a combater a desigualdade salarial na empresa até 2020. Há a expectativa que, mesmo com a demissão de Carrie, ela volte a atuar na BBC na sede em Londres.

Leia mais: A promessa do príncipe William para a mãe, Diana

+ Jovem reconhece suspeito de estupro flagrado por câmera