CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 14,90/MÊS

João de Deus sai da prisão

STJ determinou que o médium fosse levado a uma unidade de saúde para tratar o aneurisma no abdômen

Por Da Redação Atualizado em 18 fev 2020, 10h33 - Publicado em 23 mar 2019, 14h50

João de Deus , acusado de crimes sexuais, deixou a prisão, passou a 1ª noite internado em um hospital em Goiânia e irá passar por exames neste sábado (23). O médium foi transferido do presídio em que estava há três meses devido a um aneurisma em uma aorta do abdômen.

A transferência de João de Deus foi determinada pelo ministro Nefi Cordeiro, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), após pedido de defesa do médium. Ele chegou ao Instituto de Neurologia de Goiânia na noite de sexta-feira (22), acompanhado de seguranças. Segundo o advogado de João de Deus, Alberto Toron, ainda não se sabe quais exames ele irá realizar hoje.

O médico Alberto Las Casas foi o responsável pelo laudo que constatou o aneurisma. Segundo ele, o hospital não possui autorização para divulgar o estado de saúde e o tratamento do paciente. Porém, anteriormente, o cardiologista havia alertado que João de Deus corre um sério risco de sofrer uma morte súbita em decorrência do aneurisma.

O quarto em que médium está hospitalizado é isolado e possui 20 metros quadrados. Em imagens divulgadas pela TV Anhanguera, o espaço possui uma ante sala, televisão, frigobar, banheiro privativo e aparelho de ar-condicionado.  

Rodrigo Gonçalves/Reprodução
Continua após a publicidade

De acordo com a decisão do ministro, o tratamento de João de Deus deve durar até quatro semanas e a unidade precisa informar sobre qualquer sinal de melhora do paciente. Além disso, ele também determinou que o médium precisa ser acompanhado por escolta policial no hospital para evitar a possibilidade de fuga.

“Durante a internação, o custodiado estará sob vigilância ininterrupta de servidores penitenciários”, informou a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária.

A transferência de João de Deus para o hospital será avaliada pelo Ministério Público do Estado de Goiás, pois, de acordo com o órgão, não havia necessidade de internação.

Leia também: Claudia Rodrigues está internada e não reconhece a filha

Registros de crimes sexuais no transporte crescem 265% em São Paulo

Siga CLAUDIA no Youtube

Continua após a publicidade

Publicidade