Gravações coletadas por Mário de Andrade há 80 anos são resgatadas

O escritor comandou uma missão, anos atrás, para registrar manifestações culturais dos rincões do Brasil

Depois de 80 anos, pesquisadores conseguiram resgatar material que Mário de Andrade coletou em uma expedição para registrar manifestações culturais espontâneas dos rincões do Brasil.

Em 1938, o escritor comandava o Departamento de Cultura da Prefeitura de São Paulo. Ele pretendia registrar manifestações culturais escondidas nos recantos do país, que estavam com risco de extinção devido à chegada da indústria cultural.

Inspirada nas missões do século 19, Mário de Andrade organizou uma viagem que passaria por mais de 30 cidades, entre elas Pernambuco, Paraíba, Ceará, Maranhão e Pará.

O escritor organizou um grupo composto pelo arquiteto Luís Saia, o maestro austríaco Martin Braunwieser, o técnico de som Benedicto Pacheco e o ajudante Antônio Ladeira, para irem até as comunidades. Ele acompanharia tudo de seu gabinete em São Paulo.

A ideia do projeto era registrar folguedos, cantigas, desafios e toda espécie de ritual musical da cultura popular. Além disso, a equipe também se responsabilizaria por tirar fotos e fazer pequenas filmagens de algumas manifestações.

O resultado desse trabalho está em 21 cadernetas, 14 filmes pequenos, 1.299 fonogramas. No total, foram 33 horas de gravação, 856 objetos coletados e 600 fotografias.

Essa preciosidade será disponibilizada novamente ao público através de uma reedição realizada pelo Sesc, em parceria com o CCSP (Centro Cultural São Paulo). A ideia era relançar o material ainda este ano para comemorar os 80 anos da missão, porém o projeto ficou para o ano que vem, sem uma data definida.

Leia também: Marchas feministas contra violência de gênero na Europa

Retrato da sociedade, diz Marina Ruy Barbosa sobre ‘Sequestro Relâmpago’

Siga CLAUDIA no Instagram