Falha no WhatsApp permite que mensagens sejam manipuladas

Hackers podem "colocar palavras na sua boca" e alterar o conteúdo das mensagens em grupos e conversas particulares

Uma falha de segurança no WhatsApp permite que hackers alterem o conteúdo de mensagens enviadas no aplicativo, segundo a empresa de segurança virtual israelense Checkpoint Research. A declaração foi feita durante a conferência Black Hat, em Las Vegas na última quarta-feira (7).

Em entrevista para a BBC, o pesquisador Oded Vanunu disse que a Checkpoint criou uma ferramenta para investigar essa vulnerabilidade do aplicativo. A falha possibilita que “agentes maliciosos” manipulem conversas na plataforma.

O Facebook, que é dono do WhatsApp, afirmou que já revisou o problema há um ano e que é errado dizer que há uma vulnerabilidade na segurança do aplicativo.

Segundo a Checkpoint, no WhatsApp, um hacker conseguiria manipular o recurso de citação para parecer que alguém escreveu algo que jamais escreveu, além de permitir que o invasor altere o nome da pessoa que enviou a mensagem, tornando possível atribuir um comentário a uma fonte diferente.

Veja o que está bombando nas redes sociais

Outro ponto comentado pela empresa de segurança já foi corrigido pelo Facebook. Antes, os hackers poderiam fazer parecer que uma mensagem estava sendo enviada apenas para uma pessoa, quando na verdade estava sendo enviada em grupo. Os outros problemas não foram solucionados por “limitações de infraestrutura”, segundo a empresa.

Tantas falhas possivelmente ocorrem porque com a tecnologia de criptografia implantada no WhatsApp, ficou extremamente difícil monitorar e verificar a autenticidade das mensagens enviadas pelos usuários do app.

O Facebook se pronunciou em uma nota, dizendo que fazem o possível para manter o aplicativo seguro. “Precisamos ficar atentos ao fato de que endereçar as preocupações levantadas por esses pesquisadores poderia fazer o WhatsApp menos privado – como armazenando informações sobre a origem das mensagens”, afirmou a empresa.

Já a Checkpoint, afirmou que a ferramenta foi criada para promover discussões. “Não podemos deixar de lado e dizer que essa situação é normal. “O WhatsApp atende 30% da população global. É nossa responsabilidade. Há um grande problema com notícias falsas e manipulação. Sua infraestrutura atende a mais de 1,5 bilhão de usuários”, finalizou.

Leia mais: Brasil é o segundo pior país para mulheres viajarem sozinhas, diz pesquisa

+ Viola Davis vai produzir adaptação de peça de Nelson Rodrigues

Carga mental: você se sente sobrecarregada em casa?