Clique e assine com até 75% de desconto

Ex-ginasta Lais Souza fica em pé pela 1ª vez

Três anos após acidente que a deixou tetraplégica, atleta comemora avanço no retorno dos movimentos do corpo.

Por Maria Beatriz Melero 14 fev 2017, 12h43

Três anos após o acidente que a deixou tetraplégica, a ex-ginasta Lais Souza mostrou nesta semana que a recuperação dos movimentos está cada vez melhor. Em vídeo publicado na conta oficial da paulista, a atleta ficou em pé pela primeira vez sem a ajuda de aparelhos.

https://www.instagram.com/p/BQapT9JlZ00/

Em gravação anterior, Lais conseguia movimentar objetos com a mão e, para sustentar o corpo, ainda contava com a ajuda de estabilizadores e o apoio do fisioterapeuta para ajudá-la a ficar em pé.

View this post on Instagram

Training 🤸🏾‍♂️🤸🏼‍♀️🤸🏾‍♂️🤸🏼‍♀️🤸🏾‍♂️💪🏻💪🏻💪🏻✅♿️✅♿️✅ #fisioterapia #forca #empè #clinicavie #estacio #neymar #dodamiranda #palestra #superação #paciencia #familia #gratidao

A post shared by Lais Souza (@lalikasouza) on

Continua após a publicidade

“Eu realmente não estou me mexendo, fazendo mortal, um duplo twist carpado… Mas o pequeno esforço que eu faço, ele é grande“, disse a ex-ginasta a EPTV.

Leia mais: Blogueira surpreende e emociona seguidores ao revelar paralisia

Acidente

O acidente aconteceu em 27 de janeiro de 2014, em Salt Lake City (EUA), durante um treinamento de esqui – modalidade esportiva que Lais iria disputar nos Jogos Olímpicos de Inverno. Na ocasião, a atleta treinava em um pista cercada de árvores e colidiu com uma delas. Com a colisão, ela teve um deslocamento entre a terceira e a quarta vértebras, esmagando a medula.

A lesão causou a perda da sensibilidade e os movimentos do pescoço para baixo. Desde então, Lais realiza acompanhamento médico para recuperar a mobilidade do corpo em sua cidade natal, Ribeirão Preto – onde voltou a morar. Ainda em 2014, a teve sua primeira ao retomar o sentido dos dedos dos pés.

Antes de se dedicar ao esqui, Lais já tinha marcado sua história no esporte brasileiro ao representar o país em campeonatos mundiais de ginástica olímpica, como os Jogos Olímpicos de Atenas (2004) e de Pequim (2008).

Leia mais: Pai participa de maratonas empurrando o filho com paralisia em triciclo

Continua após a publicidade
Publicidade