Elenco de “O Mecanismo” comenta assassinato de Marielle Franco

Os atores Enrique Díaz e Jonathan Haagensen, além do diretor José Padilha, deixaram algumas palavras sobre a vereadora

Aconteceu nesta quinta-feira (15), no Rio de Janeiro, a entrevista coletiva de lançamento da série O Mecanismo, inspirada na Operação Lava Jato, que tem estreia marcada para o dia 23 de março na Netflix.

Enquanto respondia uma das questões, o ator Enrique Díaz, que interpreta o personagem Roberto Ibrahim, interrompeu sua fala para comentar o assassinato da vereadora Marielle Franco na noite de quarta-feira (14).

“Não consigo me afastar disso, preciso interromper. Ela foi executada. Isso tem a ver com as escolhas que a gente faz sobre lutar por um lugar melhor e um país mais justo para se viver. Eu não podia passar por hoje sem falar isso”, desabafou.

Em seguida, o blogueiro Hugo Gloss, que conduzia a mesa, questionou se mais alguém gostaria de comentar o caso.

Um dos criadores da série, o diretor José Padilha também deixou algumas palavras. “A polícia mata um número absurdo de pessoas todos os anos no Brasil. E isso acontece há muito tempo, olha a chacina da Candelária (em julho de 1993). Entra partido e sai partido, a situação da segurança pública continua a mesma. Não muda. Isso foi uma tragédia. O Enrique (Díaz) tem razão: diz muito sobre batalhar por algo melhor”, argumentou.

Já o ator Jonathan Haagensen, que nasceu na comunidade do Vidigal, no Rio de Janeiro, lembrou que ela não fugiu ao que é uma regra. “Marielle Franco representa o que acontece todos os dias nas favelas de todo lugar do Brasil. Nós só estamos sabendo, porque ela era uma pessoa pública. Infelizmente, essa violência silenciosa mata todos os dias na periferia, e atinge principalmente as mulheres negras”, finalizou.

Leia também: Polícia trabalha com hipótese de execução na morte de Marielle Franco

+Agenda de atos em protesto contra morte da vereadora Marielle Franco

+ AO VIVO: Notícias sobre o assassinato de Marielle Franco