Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Polícia portuguesa faz nova busca por Madeleine McCann

Operação durou mais de 12 horas e foi feita em em poços de água perto da praia da Luz, onde a menina desapareceu há 13 anos

Por Da Redação - Atualizado em 12 jul 2020, 11h48 - Publicado em 12 jul 2020, 11h45

Depois de mais de 10 anos sem conclusão, o desaparecimento da menina inglesa Madeleine McCann segue mobilizando a polícia portuguesa. Após receber uma dica do suspeito alemão Christian B, atualmente apontado como o mais provável responsável pelo crime, uma equipe de busca passou mais de 12 horas revirando poços de água perto da região onde a menina foi vista pela última vez, há 13 anos.

Os poços ficam a pouco mais de 8 km do hotel onde a família McCann estava hospedada quando Madeleine desapareceu, em 2007. Madeleine tinha apenas três anos de idade na época. Segundo jornais britânicos, a polícia trabalha com a informação de que Christian B teria se desfeito do corpo da criança em um dos poços que fica a menos de 10 minutos da Praia da Luz.

Os trabalhos de busca envolveram mais de 15 policiais e mergulhadores, que buscaram evidências embaixo d’água. A área fica exatamente entre o hotel onde a família McCann estava passando o verão e a Praia do Barranco, onde a van do alemão foi vista estacionada na época do crime. Há mais de dúzias de poços na região, separados cerca de 100 metros um do outro, e hoje (12) a polícia fez a busca três deles. Até o momento, nada foi encontrado.

Christian B está preso na Alemanha por tráfico de drogas. Devido seu passado com passagem pela polícia por pedofilia, e por ter sido visto em Portugal na época do sequestro de Madeleine, ele é apontado como suspeito, mas nega qualquer participação. O prazo para apresentar evidências de sua participação está acabando e ele pode ser liberado pela justiça alemã em poucas semanas.

Continua após a publicidade

A família McCann segue com a esperança de que Madeleine seja encontrada com vida. Enquanto não houver provas de sua morte, eles se recusam a considerar o caso como sequestro e assassinato. As buscas pela área continuam essa semana.

 

Publicidade