Cinema fará parte da grade escolar primária dos argentinos

A inovação foi extremamente bem recebida pela população e por profissionais da área que reconhecem os benefícios, como o desenvolvimento aguçado da criatividade através contato infantil com a sétima arte desde muito cedo

Não é de hoje que o cinema argentino se destaca pela sua altíssima qualidade técnica e roteiros supercriativos – se há uma coisa que os nossos hermanos sabem fazer (e muito bem, aliás) é filme! 

Leia mais: Michelle Obama invade show de Beyoncé em campanha pela educação para meninas. 

Mas a grande novidade está em uma proposta em processo de avaliação desde agosto deste ano: a instituição do cinema como disciplina obrigatória nas escolas primárias argentinas.

Veja também: Ação de universitárias denuncia declarações machistas e assédio vindos de professores​.

A inovação foi extremamente bem recebida pela população e por profissionais da área que reconhecem os benefícios, como o desenvolvimento aguçado da criatividade através contato infantil com a sétima arte desde muito cedo.  

Leia mais: Desescolarização: conheça o modelo de educação que prioriza as experiências do cotidiano – e não a vida escolar​.

A iniciativa foi realizada com a ajuda da França, que já havia implementado a matéria nos colégios com o auxílio do programa ‘Collège au Cinema’. O objetivo é que os pequenos se tornem craques na análise de longas, enriquecendo seus repertórios através do contato com os grandes clássicos nacionais. 

Veja também: Olivia Wilde está ensinando feminismo ao filho – e isso é incrível​.

Alejandro Cacetta, presidente do INCAA (Instituto Nacional de Cine y Artes Audiovisuales), afirmou, a uma revista norte-americana, que a ideia veio de adaptar o projeto francês “Escola Vai Ao Cinema” para uma política estatal, começando por transformá-lo em um programa com uma periodicidade mais constante. 

Leia mais: Príncipe George frequenta a escola montessoriana. Saiba como funciona esse método. 

A ideia é romper com o conceito de que cinema é apenas entretenimento, mas também história, cultura, memória etc. Alejandro ainda completou: “O maior desafio agora é como distribuiremos e exibiremos as películas. Se nós apenas produzimos os nossos filmes, sem sequer mostrá-los aos outros, estamos contribuindo para a criação de um cemitério cinematográfico.”

Veja também: Vídeo questiona porquê tratamos mulheres como objetos no cinema e TV​.

A ação já integra a grade disciplinar de 7 das 24 províncias do país, incluindo Cordoba e Salta. Imagina só se, assim como nossos vizinhos, nós valorizássemos as produções cinematográficas brasileiras? 

Leia mais: Jessica Chastain critica a falta de mulheres nos sets de Hollywood.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s