Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

A pandemia trouxe danos severos à saúde mental dos italianos

80% da população do país precisou de auxílio psicológico durante os meses de isolamento social

Por Maria Clara Serpa - 22 Maio 2020, 10h30

Com mais de 32 mil mortos e uma grande crise no sistema de saúde, a Itália viveu meses difíceis em meio à pandemia do novo coronavírus. Após meses de isolamento, a situação no país começou a se normalizar e, lentamente, a população deixa o lockdown. Ainda assim, a situação caótica deixou marcas no psicológico de grande parte da população.

Segundo um recente estudo do Conselho Nacional de Psicólogos da Itália (CNOP), oito entre dez italianos precisaram de ajuda psicológica para conseguir lidar com o período de isolamento social. Em entrevista ao The Guardian, a psicóloga italiana Sara Reginella disse haver notado um aumento muito grande em casos de ansiedade e depressão, que estão ligados à solidão e à necessidade de ficar em casa. Apesar da reabertura, muitas pessoas resolveram continuar isoladas por se sentirem mais seguros assim.

“É sobre sobrevivência. Há ameaças às necessidades básicas da população – as pessoas estão perdendo seus trabalhos, casas e se preocupando com o futuro de seus filhos”, explica Sara. Segundo a BRF Onlus, um centro de pesquisas sobre saúde mental, foram registrados, desde o início de março, 37 casos de suicídio no país e 25 tentativas. Entre eles, quatro foram enfermeiras que tiraram à vida devido ao estresse causado pelo trabalho na pandemia.

“Os casos de suicídio foram um pouco mais altos que nós últimos dois meses. Não sabemos se as pessoas já estavam depressivas ou se já estavam se tratando. É alarmante saber que parte dos casos são claramente ligados à pandemia”, disse Armando Piccinni, presidente da BRF Onlus, em entrevista ao The Guardian.

Continua após a publicidade

A última vez que a Itália havia registrado aumento nos casos de suicídio foi após a crise financeira de 2007. Depois disso, os números estavam diminuindo. Segundo Piccinni, o suicídio é apenas a ponta do iceberg dos problemas mentais da população. “Para cada tentativa de suicídio há centenas de pessoas vivendo com depressão. A pandemia trouxe de volta à tona casos de ansiedade e depressão de pessoas que já sofriam com isso e também fez com que outras desenvolvessem pela primeira vez”, afirmou.

Diversos psicólogos e psiquiatras italianos estão oferencendo atendimentos gratuitos à população neste período de pós-pandemia. Também visando a melhoria da situação, o governo está contando com a ajuda de psiquiatras, além de outros profissionais, para criar medidas de melhoria nos próximos meses.

Todas as mulheres podem (e devem) assumir postura antirracista

 

 

Publicidade