CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS

SPFW: A edição número 51 tem história para contar

Da tecnologia à sustentabilidade, os últimos dias da semana de moda fizeram do fashion film inspiração para pensar sobre temas além da moda

Por Anna Paula Chagas Atualizado em 28 jun 2021, 21h45 - Publicado em 28 jun 2021, 21h06

O São Paulo Fashion Week encerrou sua edição número 51 neste final de semana e  deixou muita história para contar. Marcas novas e veteranas não perderam seu brilho e souberam inovar mesmo em tempos pandêmicos.

Temáticas atuais e necessárias foram expostas em formato de fashion film. Além disso, o projeto Sankofa esteve presente durante todos os dias de desfile, com o objetivo de inclusão racial no mercado e nas passarelas. Talento não faltou no sábado e muito menos no domingo. 

Em seu penúltimo dia, a semana de moda iniciou suas apresentações virtuais com a marca Rocio Canvas, que levou inspirações sustentáveis da coleção e personalidade em cada modelagem. A marca, que tem esse nome em homenagem à mãe do designer Diego Malicheski, se destacou e refletiu sobre o fim do isolamento.

View this post on Instagram

A post shared by Rocio Canvas (@rociocanvas)

A noite de sábado encerrou com a coleção de Carol Bassi + Marco Gurgel. A coleção conta com muitos babados, volumes e tudo feito com algodão brasileiro. O fashion film teve a Cidade Maravilhosa como cenário e uma música inédita composta pela modelo e compositora Barbara Fialho. 

Carol Bassi
Carol Bassi Carol Bassi/Divulgação

E por falar em modelos, a top Dani Pontes, que desfilou pela Misci, contou sobre a experiência das apresentações virtuais. “O legal desse formato é que agora, além de participar, viro telespectadora também. Foi um clima muito gostoso para gravar esse fashion film e uma gratidão imensa poder voltar a trabalhar presencialmente”, diz.

Misci
Misci/Divulgação
Continua após a publicidade

Inspirada nas boleias de caminhão, Vernáculo abriu uma reflexão sobre nacionalidade. “A coleção está linda e no início gravamos um mini-protesto com tudo que vem acontecendo em nosso país”, diz a modelo. Texturas e dizeres inspirados nas famosas frases ganharam forma na passarela por meio de uma rica matéria-prima nacional.

View this post on Instagram

A post shared by Walério Araújo (@walerioaraujo)

A cada edição o evento valoriza ainda mais a moda nacional e revela talentos da indústria. Estampas, caimento, cores e detalhes não faltaram. Oito marcas fizeram o domingo à noite valer a pena. Entre elas, temos o veterano Walério Araújo, que reforçou seu posicionamento sócio-político e apoio à comunidade LGBTQIA+ por meio de suas peças.

Flavia Aranha
A maca Flavia Aranha estreou no SPFW nesta edição. Foto: Mariana Caldas/Reprodução

Fechando a temporada, tivemos a estilista Flavia Aranha com um fashion film impecável sobre natureza e força feminina. A coleção Sopro teve sua cartela de cores inspiradas na passagem do tempo, ou melhor, nas cores do céu. Além de valorizar materiais puros, como caroços de abacate em algumas peças. 

 

 

Continua após a publicidade

Publicidade