A moda ativista de Isaac Silva, estreante da SPFW

Apostando em roupas mais inclusivas e sem gênero, o estilista caiu no gosto de famosas como Elza Soares, Taís Araújo e Camila Pitanga

Roupas que servem tanto para homem quanto para mulher, que cabem em pessoas altas e baixas, magras ou gordas, não é algo do futuro. É do presente. É a ideia por trás da marca de Isaac Silva, estreante da SPFW-48.

“As minhas roupas não têm gênero e nem distinção de idade. Eu desenvolvo uma roupa que vai ficar bem em vários biotipos diferentes”, explica Isaac em entrevista a CLAUDIA. “Às vezes entra um homem na loja e ele pergunta ‘é uma loja só de roupa feminina?’ e eu respondo ‘Não. São roupas para todo mundo, fique à vontade para experimentar'”, completa.

Não perca o que está bombando nas redes sociais

A loja homônima é localizada na Rua Jaguaribe, na Vila Buarque, região central da capital de São Paulo. Lá, ele vende suas criações inspiradas na mulher real, com curvas, negras e plus size. “Eu sempre via que os desfiles, principalmente no Brasil, exaltam muito as mulheres brancas, magras, de cabelo liso. Elas são lindas, mas não representam o total de mulheres no Brasil”.

Isaac, então, mudou a modelagem da sua marca para atender mais clientes e, assim, vender roupas que coubessem em diferentes corpos. “Eu sempre pensei em abrir uma loja onde as pessoas pudessem entrar e não ficassem constrangidas, vendo peças que não coubessem nelas”, relata.

É com esse viés e esse ativismo que Isaac pretende “furar a bolha” durante seu desfile na São Paulo Fashion Week, na sexta-feira (18). “Eu quero que seja um desfile em que as pessoas saiam de lá inspiradas. A passarela ainda é um show em que nós, estilistas, usamos para contar nossa história. Nós somos contadores de história”, revela ele.

“Acredite no seu axé”

Nascido em Barreiras, interior da Bahia, Isaac teve seu primeiro contato com a costura em sua cidade natal. Passou sua infância no ateliê de uma amiga da família, e lá se apaixonou pelo barulho da máquina e pela modelagem.

Já pensando no futuro, aos 14 anos, foi morar em Salvador, onde terminou o Ensino Médio e passou a se dedicar aos estudos sobre o assunto que, até então, não conhecia profundamente. “A minha família nunca teve acesso à moda e não me apoiava no início, porque sempre teve um pensamento de que a moda era coisa de gente rica, algo que pertence a elite e às revistas”, relembra.

Mas insistiu em seu sonho e foi para São Paulo, após ter se formado em Design e Gestão de Moda. Na capital paulista, ele teve seu primeiro contato com o mercado de trabalho, fazendo parte da equipe de estilistas como Gustavo Silvestre e Geraldo Couto.

Leia também: De vendedora à top model: confira a história inspiradora de Rita Carreira

Porém, posteriormente, ele também descobriu o lado obscuro do universo da moda. Dentro das marcas de grande nome, ele viu trabalho escravo, mão de obra sendo mal paga e infelicidade. Além disso, por ser um nordestino vivendo em São Paulo, esbarrou com preconceitos e com dificuldades que o fizeram pensar em abrir a própria marca.

Assim nasceu Isaac Silva Brand, para romper barreiras e abraçar a diversidade. Com o lema “Acredite no seu axé” – que também é o tema da coleção que será apresentada na SPFW –, a marca busca a essência e a positividade de cada um. “Precisamos acreditar em nós, na nossa energia, na nossa força e que tudo vai dar certo. O mundo está vivendo em uma onda de pessimismo muito grande e se continuarmos nisso, vamos adoecer e não vamos ter um caminho bem traçado para o que viemos fazer aqui”, reflete Isaac, explicando o significado da frase.

Em 2015, depois de criar algumas coleções, a Isaac Silva Brand foi convidada para desfilar pela primeira vez na Casa de Criadores – um dos principais eventos de moda autoral do país, que lança novos nomes da moda brasileira. Os temas de suas coleções sempre exaltam a mulher e a cultura afro-brasileira, como Dandara do Brasil, líder do Quilombo dos Palmares.

Mulheres fortes como musas

Desde seu início na moda e especialmente quando abriu a marca própria, Isaac sempre teve como objetivo vestir grandes mulheres. “Não necessariamente famosas, mas grandes mães, empresárias, médicas, empregadas domésticas”, explica. Para ele, elas representam a força que a mulher brasileira tem e são sua inspiração pra criar.

A Isaac Silva Brand já se tornou queridinha de algumas famosas engajadas, como Taís Araújo, Camila Pitanga, Gaby AmarantosDjamila Ribeiro e Liniker. Elza Soares também já vestiu peças da marca e, hoje em dia, considera Isaac um de seus estilistas preferidos. “Isaac é um grande profissional, sempre me vestiu, suas criações têm personalidade. Eu acredito no Axé do Isaac”, contou a cantora a CLAUDIA.

“Vestir a Elza pra mim foi como receber o convite para a Fashion Week. Ela é um exemplo pra gente, uma lenda vida, e com minha arte poder vesti-la foi como um encontro de almas. Foi quando eu percebi que o meu trabalho estava dando certo”, conta Isaac.

Erica Malunguinho também escolheu um look de Isaac para usar no dia de sua posse na Assembleia Legislativa de São Paulo. O vestido fez parte da coleção Yabas, com estampa em parceria com Adriana Meire.

View this post on Instagram

Estética é para além do visto, da forma: é conteúdo. É dentro e fora. É além disso, é conhecimento sensível. Estética e ética estão juntas não apenas pelos nomes que se assemelham. Ética — palavra dita tão nobre e tão distante de nossos tempos. Racionaliza o conjunto de regras, analisa o fazer da humanidade… as leis, a moral e mais um conjunto de coisas que norteiam as sociedades. Essas palavras têm, ou pelo menos deveriam ter, uma profunda relação. Olhar para além do visto, sentir para além dos sentidos. Relacionar a coisa dada com as coisas do sentido. Razão e sensibilidade. Afeto talvez nos dias de hoje. Em línguas menos ocidentais, vejo que somos natureza: nosso corpo e o mundo são indissociáveis… Ao transitar entre as civilizações, ou mesmo no seio de sua própria, povos ancestrais sempre cuidaram da imagem do corpo…. pinturas, brincos, tecidos, penas, barro… uma infinidade de materiais para compor o corpo, que é um pedaço do mundo. Natureza. A razão de estar no mundo agindo humanamente diz respeito ao que também vivemos pelo sensível. É disso que se trata a beleza. É arte. É cultura. É política. Aqui nesta imagem estão os cuidados de @divascabelos @adivagreen no concept capilar, @greencloud nas pinturas do rosto e @isaacsilva_br @isaacsilvabrand na vestimenta, com sua coleção Yabás, e a arte de @adrianameiraatelier , as joias são de @ojire_modaafro . #tbt #alternanciadepoder #reintegracaodeposse #art #transgender #mulheresnegras

A post shared by Erica Malunguinho (@ericamalunguinho) on

Sonhos

Desfilar sua coleção em uma grande semana de moda pode parecer o maior sonho da vida de um estilista. Mas, para Isaac, esse é só o começo. “Quero poder atender todo o país, porque já recebo mensagem de gente de todos os lugares querendo consumir a marca. Eu também espero poder conhecer estados como o Maranhão e o Acre, e poder fazer essa conexão, já que minha pesquisa de moda é sobre o Brasil”, conta o estilista.

Para Isaac, o mercado visado e a inspiração é 100% brasileira. Ele acredita que o mercado dos EUA e da Europa, tão reconhecidos pela moda, já estão saturados e, por isso, devemos focar na riqueza e todo o espaço que há para crescer aqui. “Hoje, eles têm muito o que aprender com a gente dessa questão da essência. Eu quero muito entender esse contexto do Brasil, esse é o meu grande sonho agora”, finaliza.

Leia mais: Com audiodescrição e libras, SPFW tem primeiro desfile inclusivo

+ Alerta tendência: veja como usar bolsa de palha no dia a dia

PODCAST – Por que não sinto vontade de transar?