Clique e assine Claudia a partir de R$ 5,90/mês

Historiador revela quando começaram as brigas entre William e Harry

Robert Lacey defende, em novo livro, que existe o risco de uma "potencial tragédia" se os irmãos não se reconciliarem

Por Da Redação - Atualizado em 7 out 2020, 12h00 - Publicado em 7 out 2020, 13h00

As desavenças entre Príncipe Harry e Príncipe William podem ter começado muito antes de suas esposas terem se unido à família real. Pelo menos é o que indica o novo livro do historiador Robert Lacey, Battle of Brothers: The Inside Story of a Family in Tumult (Batalha dos irmãos: por dentro da história de uma família em tumulto, em tradução livre).

Durante boa parte do ano passado, a imprensa britânica apontava para uma suposta briga entre William e Harry, que teria iniciado quando Meghan Markle se tornou noiva do duque de Sussex. Na época, havia especulações de que William não teria aprovado o casamento do irmão. Os rumores aumentaram ainda mais depois que Harry e a esposa se mudaram do Palácio de Kensington, onde os duques de Cambridge moram e, posteriormente, deixaram seus papéis na realeza e passaram a viver na Califórnia, nos Estados Unidos.

No entanto, de acordo com a revista People, Lacey traz outra versão da história e defende que o cisma dos príncipes remonta ao casamento turbulento de seus pais, o Príncipe Charles e a Princesa Diana.

Príncipes William e Harry com seus pais, Charles e Diana Reprodução/Reprodução

“Os dois irmãos foram prejudicados por sua educação. Ambos reagiram encontrando soluções diferentes”, diz o autor. “Há muita dor e trauma nesta história, voltando ao início”, completa.

Segundo o historiador, os irmãos “foram criados para serem próximos e protetores um do outro”. As tensões começaram, entretanto, quando William foi preparado para o seu papel como futuro monarca, enquanto Harry foi deixado sem um papel próprio definido.

A desavença, de fato, ficou ainda mais aguçada quando Harry conheceu Meghan e logo o casal noivou. William, como já era especulado anteriormente, teria alertado que o romance estava acontecendo muito rápido.

“Fundamental para toda a saga é o choque de amor versus dever”, explicou Lacey. O historiador ainda afirma que existe o risco de uma “potencial tragédia” se os irmãos não se reconciliarem, comparando a briga entre eles a momentos históricos como a abdicação de Edward VIII, em 1936, e a morte de Lady Di, em 1997.

*Esta matéria pode gerar um tipo de comissão pelo link comercial divulgado. 

O que falta para termos mais mulheres eleitas na política

Continua após a publicidade
Publicidade