Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

‘La La Land’: impossível não sair sorrindo (e dançando) do cinema

Com atuação brilhante de Emma Stone e Ryan Gosling, o filme é irresistível até mesmo para quem não é chegado em musicais.

Por Giovana Feix Atualizado em 20 jan 2020, 23h03 - Publicado em 10 jan 2017, 16h39

Se você gosta de cinema ou acompanhou minimamente a última edição do Globo de Ouro, no último domingo (8), então já ouviu falar de La La Land. O filme, que estreia dia 19 de janeiro no Brasil, foi contemplado em nada menos que sete categorias – sendo o mais bem-sucedido em todos os 74 anos da premiação.

74th Annual Golden Globe Awards - Press Room
Kevin Winter/Equipa/Getty Images

Obra do jovem diretor que nos trouxe Whiplash – Em Busca da Perfeição em 2015, Damien Chazelle, La La Land é, acima de tudo, uma louvável e bem-executada homenagem aos musicais da Hollywood de antigamente. “Bom, eu nunca gostei muito de musicais”, você pode pensar – e o filme vai, mesmo assim, conseguir te fisgar. Na teoria, as coreografias e canções podem até te parecer piegas demais, mas elas se encaixam perfeitamente na narrativa do longa.

View this post on Instagram

Tag someone you would like to dance with for the chance to both WIN a signed #LALALAND poster! ✨ LA LA LAND is Now Playing everywhere – Get tickets: Link in bio! (Sweepstake Ends 1/9/17 @ 12PM PT; U.S. Residents Only)

A post shared by La La Land (@lalaland) on

O diretor conversou bastante com os atores principais antes de desenvolver certos aspectos do roteiro – e chegou a incluir no filme algo que realmente aconteceu com um deles: um avaliador atender uma ligação em meio à audição para um papel.

A história principal gira em torno dos personagens de Emma Stone e Ryan Gosling, jovens que se apaixonam enquanto tentam brilhar em Los Angeles. O “La La Land” que dá nome ao filme é um antigo apelido desta cidade, onde a mágica de Hollywood, afinal de contas, acontece.

A primeira cena do filme nos mostra um aspecto conhecido da metrópole californiana: o trânsito. Já de cara nos deparamos com um número musical inusitado e alegre, e vemos, nos jovens que dirigem em carros solitários, uma bela metáfora para a busca pelo sucesso. A personagem de Emma Stone, Mia, sonha em ser atriz, enquanto Sebastian, o de Ryan Gosling, é músico e quer um dia abrir seu próprio bar de jazz. Ambos aparecem nesse momento, mas é só mais para frente que um romance entre eles se desenrola.

“Eu acho que nunca vi um filme sobre esse momento específico da vida”, opinou a atriz Rosemarie DeWitt, irmã de Gosling no filme, em entrevista ao Hollywood Reporter. “Sobre quando você está mais ou menos no início de sua criação, de sua carreira, e sobre como é difícil estar em um relacionamento com alguém e ao mesmo tempo querer ser um grande ator, um grande músico, um grande diretor. É muito difícil achar esse equilíbrio, e você está tão apaixonado por tudo”. De fato, a química entre os dois atores principais (que já contracenaram em dois outros filmes) pode ser irresistível – mas este filme é sobre muito mais do que isso. É sobre como pode parecer lindo, mas é, na verdade, extremamente difícil seguir seus próprios sonhos.

Continua após a publicidade

View this post on Instagram

City of stars, are you shining just for me? ✨ #LALALAND – Starring #RyanGosling and #EmmaStone. Now Playing! Link in bio for tickets.

A post shared by La La Land (@lalaland) on

Bem, ao mesmo tempo em que a expressão “good vibes” parece ter sido criada especificamente para descrever esse filme, não devem deixar de ser mencionadas aqui as críticas que alguns jornalistas internacionais têm feito a um aspecto específico de seu roteiro: o fato de o personagem de Gosling, branco, querer salvar um estilo musical criado por e estreitamente ligado à comunidade negra – o jazz. É importante problematizar essa questão, já que, na mesma Hollywood homenageada pelo longa, protestos e discursos têm questionado a ausência de negros na indústria cinematográfica norte-americana.

View this post on Instagram

Ryan Gosling tries to make a deal with J.K. Simmons is this new exclusive clip from #LALALAND! Now playing in select cities, everywhere Christmas Day! Link in bio for tickets.

A post shared by La La Land (@lalaland) on

Mesmo assim, não é possível assistir ao filme sem se sentir encantado. De forma (sem exageros) mágica, colorida, empolgante e, muitas vezes, de fato deliciosamente piegas, La La Land fala abertamente sobre sonhos e como, às vezes, encontramos na vida pessoas que nos impulsionam e nos ajudam a dar o melhor de nós mesmos. Como, no filme, essa ~pessoa~ tem a aparência do Ryan Gosling, imagino que agora não te não reste dúvida alguma: o ingresso do cinema vale cada centavo.

 

Continua após a publicidade
Publicidade