Clique e assine com até 75% de desconto

Após protestos contra o racismo, filme “E o Vento Levou” é retirado da HBO

A trama de 1939 retrata de forma equivocada a situação em que viviam os escravos e foi alvo de críticas em meio aos protestos

Por Da Redação Atualizado em 21 set 2020, 14h14 - Publicado em 10 jun 2020, 16h30

Em 1939 um clássico chegava aos cinemas e falava sobre a Guerra Civil Americana e destruição de muitas fortunas e famílias causadas por ela. “E o Vento Levou” venceu 8 Oscars, incluindo a categoria de Melhor Filme. Entretanto, a representação equivocada sobre os escravos e seus proprietários como “heróis” na trama, fez nascer críticas a respeito do enredo.

Devido todo o contexto, o filme foi retirado da plataforma de streaming HBO MAX nesta terça-feira (9) em um momento em que acontece protestos contra o racismo e a violência policial em todo o mundo.

Em um comunicado enviado à agência AFP, o representante da HBO informou que “‘E o Vento Levou’ é um produto de seu tempo e contém alguns dos preconceitos étnicos e raciais que, infelizmente, têm sido comuns na sociedade americana”. 

  • Após a morte do afro-americano George Floyd no dia 25 de março, uma série de protestos aconteciam nos Estados Unidos. Essa movimentações chegaram em forma de discussões e apontamentos até o longa-metragem.

    O diretor John Ridler e autor do filme “12 anos de escravidão”, escreveu em um artigo para o jornal Los Angeles Times que E o Vento Levoudeveria ser retirado porque não fica apenas aquém da representação, mas ignora os horrores da escravidão e perpetua alguns dos estereótipos mais dolorosos das pessoas de cor”. 

    Segundo a HBO, o filme será recolocado na plataforma de streaming, acompanhado de uma discussão sobre o contexto histórico abordado. Ainda não há uma data estipulada, e não será feito nenhum corte. “Fazer isto seria como dizer que estes preconceitos nunca existiram”, afirmaram. 

    Todas as mulheres podem (e devem) assumir postura antirracista

    Continua após a publicidade
    Publicidade