Clique e assine com até 75% de desconto

Pimenta alia sabor único e benefícios para saúde

A pimenta ajuda a emagrecer, previne doenças cardiovasculares e ainda pode deixá-la mais bonita e feliz

Por Andrezza Duarte Atualizado em 20 jan 2020, 14h57 - Publicado em 21 nov 2010, 21h00

Para deixar a pimenta menos picante na hora de prepará-la, remova a camada interna e as sementes
Foto: Shutterstock

Fruto nativo das Américas, a pimenta é um dos temperos mais antigos da culinária. Muito apreciada pelos brasileiros, ela é cultivada principalmente nos estados de Minas Gerais, Bahia e Goiás. “Existem mais de 50 tipos de pimentas, pelo mundo, que podem ser encontradas in natura, em pó, flocos, óleos”, explica a nutróloga Cristiane Coelho, da Associação Médica Brasileira. Quando o assunto é sabor, a pimenta é campeã. “O tempero harmoniza os pratos e dá um toque especial à comida”, diz ela. Além de deixar tudo mais gostoso, faz bem à saúde. “Por ser muito ardido, o condimento pode agravar doenças gastrointestinais, como a gastrite. Portanto, deve ser consumido moderadamente”,
orienta Cristiane.

Saúde quente

A pimenta é uma excelente fonte de vitamina C e A, cálcio e ferro. “A vitamina C aumenta as defesas do corpo e ajuda a afastar as rugas da idade; a vitamina A faz bem para pele e olhos; o cálcio fortalece os ossos; e o ferro é vital no transporte de oxigênio no corpo”, analisa Cristiane. O seu coração também está em boas mãos: conforme pesquisa da PUC-RS, a pimenta ajuda a diminuir o risco de doenças cardiovasculares, a principal causa de mortes no Brasil, segundo o Ministério da Saúde.

Santa capsaicina 

Mesmo sendo riquíssima em nutrientes, a pimenta deve seu incrível poder a uma substância
de nome estranho, a capsaicina, concentrada nas fibras internas do fruto e responsável por sua ardência. “Capaz de transformar parte das calorias dos alimentos em calor, esse alcalóide acelera o metabolismo, reduz a gordura do sangue, estimula a sensação de saciedade e ajuda a emagrecer”, diz Cristiane. 

A capsaicina atua em todo o corpo: controla o colesterol, tem efeito cicatrizante, alivia dores de cabeça e melhora a resistência física. “A substância também estimula a endorfina, o hormônio do bem-estar”, conta a nutróloga.

Continua após a publicidade

Proteção total

Uma excelente notícia para quem é apaixonada por pimenta: a capsaicina, principal ativo do tempero, está sendo estudada no tratamento de alguns tipos de câncer.

Boas compras 

A pimenta deve ter pele lisa, cor viva e aparência brilhante, sem manchas. Um truque para checar se ela é fresca: verifique se o cabo está verde. Em casa, conserve o fruto fresco na geladeira, em sacos de papel fechados, para durar até duas semanas. As versões em conserva duram conforme o prazo de validade sugerido no rótulo. E aquelas cultivadas em vasos, nas hortinhas caseiras, podem durar anos.

Acerte na escolha

Conheça as principais pimentas cultivadas no Brasil:

Jalapeño:  verde ou vermelha. Muito aromática, essa pimenta é a mais utilizada na culinária mexicana.
Comari: vermelha, verde ou amarela. Com aroma pouco pronunciado, combina com molhos cozidos
para carnes brancas.
Malagueta: vermelha ou verde. De origem brasileira, é muito popular em todo o país. Ótima no tradicional arroz com feijão.
Bode: vermelha ou amarela. Indicada para caldos e molhos, especialmente os que acompanham peixes.
Cambuci: adocicada verde. Tem formato de sino e conserva melhor o frescor se acrescentada ao final do preparo dos pratos.
Dedo-de-moça: vermelha. A mais consumida no Brasil. Fica deliciosa em doces cremosos e molhos por seu aroma suave.
Biquinho: vermelha. Ideal para dar um gostinho especial em molhos usados em carnes e massas leves.

Experimente fazer receitas deliciosas com pimenta como a de Quibe recheado e a de Sorvete de pimenta!

Continua após a publicidade
Publicidade