Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Stéphanie Habrich Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Stéphanie Habrich é empreendedora, apaixonada pelo mundo da educação e do jornalismo infantojuvenil. Fundadora do Joca, único jornal para jovens e crianças do Brasil, ela vai abordar aqui na coluna temas que interligam o contato com as notícias desde a infância e a educação, sempre pensando em como podemos ajudar nossos filhos a serem cidadãos com pensamento crítico.
Continua após publicidade

Meu desejo para as mulheres daqui a 59 anos

Assim como aconteceu com Hedy Lamarr, mulheres continuam recebendo negativas sem sentido. Espero que a verdadeira igualdade seja alcançada

Por Stéphanie Habrich Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
26 out 2020, 09h10

Quando fui convidada para escrever este texto, estava terminando de ler a biografia de Hedy Lamarr. Nascida Hedwig Eva Maria Kiesler na Viena de 1914, Hedy fazia parte de uma família de classe média, filha de judeus.

Casou-se com um fabricante austríaco de armas e munições que tinha como cliente o partido Nazista. Alguns anos depois, fugiu de casa e do país, migrando para os Estados Unidos, onde se tornou atriz em Hollywood. Sua beleza serviu como inspiração para Walt Disney criar a Branca de Neve, em 1937.

Durante a Segunda Guerra Mundial, ela desenvolveu, junto ao compositor e inventor George Antheil, um sofisticado aparelho de interferência em rádio para despistar radares nazistas, patenteado em 1940 sob seu nome de nascimento.

Dois anos depois, a dupla submeteu o método ao Departamento de Guerra dos EUA, que recusou a invenção. Argumento oficial? Parecia complicado demais. A verdade? Segundo historiadores, o fato de ter sido ideia de uma mulher.

Continua após a publicidade

O projeto ficou “na gaveta” até 1962, quando, vencida a patente, passou a ser usado por tropas dos EUA em Cuba. E não foi creditado à Hedy até 1997. A invenção é simplesmente a tecnologia que serviu de base para a criação de telefones celulares e para as tecnologias de bluetooth e Wi-Fi.

Fico imaginando se o curso da guerra seria alterado caso Hedy tivesse sido reconhecida por sua mente brilhante – e não somente pelo rosto bonito. Décadas se passaram e as negativas que recebemos, como mulheres, seguem existindo. Espero, de todo coração, que em 59 anos a verdadeira igualdade seja alcançada.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

O mundo está mudando. O tempo todo.
Acompanhe por CLAUDIA e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.

Acompanhe por CLAUDIA.

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.