Assine CLAUDIA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Sofia Menegon Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Sofia Menegon é feminista, idealizadora da podcast Louva a Deusa e consultora em relacionamento e sexualidade
Continua após publicidade

Como saber se é a pessoa certa?

Quem fica quando você não é o que parece ser? Essas costumam ser as pessoas certas

Por Sofia Menegon
19 abr 2023, 09h32

Eu nunca busquei o amor romântico. Nunca senti aquela angústia de não saber se um dia encontraria a minha pessoa no mundo. E não, não tinha nada de especial sobre mim. Não fui uma jovem desconstruidona e autossuficiente. Eu acreditava em alma gêmea e em amores para toda uma vida. Mas havia em mim a certeza de que eles aconteceriam assim, sem grandes empreitadas.

Fato é que nasci carregando características que me permitiram nunca temer a solidão. Uma mulher branca, magra, de cabelos lisos. Padrão. Para mim, havia sido reservado na história, na sociedade e na vida o lugar de ser “amada” e cuidada. Nunca me faltou cortejo, galanteio e pretendentes. Então, verdade seja dita, não foi por acaso que nunca senti medo de não encontrar um par.

Preciso dizer, no entanto, que tive a sorte de encontrar pessoas certas pelo caminho. E também pessoas erradas que ficaram tempo suficiente para que eu soubesse que não eram certas, mas foram embora antes que pudessem causar danos irreparáveis. Esbarrei com gente muito errada e que deu certo. Tentei me envolver com gente certa, mas que deu errado.

Mas eu tenho respostas dessa vez. Ao longo dos meus mais de 10 namoros, 1 casamento, muitas amizades falidas e algumas bem sucedidas, aprendi a identificar pessoas certas. E, posso dizer? É muito mais óbvio do que se possa imaginar. 

Continua após a publicidade

É sobre como ela, a sua pessoa, reage quando você tira a roupa. E essa roupa, talvez, seja literal mesmo. Mas, principalmente, aquelas camadas e camadas de roupas que a gente veste para ser aceita, sabe? Aquela que te deixa mais alegre, aquela outra que te esconde, aquela que te faz parecer culta, madura, equilibrada. 

Porque a gente não é madura o tempo todo. Eu não sou. Também estou longe de ser moderada, elegante, doce. Sinceramente, nem quero ser. Mas e aí, quem fica quando você não é o que parece ser? Essas costumam ser as pessoas certas

Outro dia, fui viajar com a minha namorada e um casal de amigos. Em meio a uma brincadeira ingênua de bilhar, senti gatilhos profundos serem ativados. Eu não aprendi a perder na infância. Não aprendi que podia errar na vida e, então, não aprendi a competir. Sempre evitei todo tipo de competição. Mas, ali, entre amigos, me permiti. E foi horrível. Eu gritei, fiz birra, me joguei no chão como se tivesse 5 anos de idade. Fiquei despida. Deixei a minha criança falar e minha adulta parecer “ridícula”.

Continua após a publicidade

Respirei. Contei para eles o que estava acontecendo, e eles? Eles contaram dos seus gatilhos, me abraçaram e agradeceram por ter ficado confortável o suficiente para dividir a minha parte que dói. Aquelas eram as pessoas certas.

Pessoas certas são as que ficam. Ficam não apesar de, mas por tudo que somos. E não ficam porque se nutrem das nossas dores, medos e sombras. Ficam porque também podem estar nuas, porque desejam nossa completude e porque sabem que há algo muito especial nesse espaço tão raro em que podemos apenas ser. São certas porque mesmo quando partem, deixam saudade daquilo que foi bom e a lembrança do que não foi. São certas porque não são perfeitas, mas são tudo que podem ser.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

O mundo está mudando. O tempo todo.
Acompanhe por CLAUDIA e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.

Acompanhe por CLAUDIA.

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 12,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.