CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR DE R$ 12,90/MÊS

Quatro mulheres revelam como é liderar negócios de design e arquitetura

Conheça a trajetória dessas profissionais e descubra quais são os desafios que cada uma enfrenta em sua área de atuação

Por Nádia Simonelli Atualizado em 7 mar 2022, 17h26 - Publicado em 8 mar 2022, 08h15
mulheres que lideram negócios de arquitetura e design
divulgação/CASA CLAUDIA

À frente de grandes marcas do mercado de arquitetura e design, Cris Rosenbaum, Camila Raghi, Marcela Del Guerra e Patricia Martinez têm algo em comum: o orgulho da trajetória que fizeram até aqui e de abrir caminho para as futuras gerações de mulheres. Conheça mais sobre o trabalho que as quatro desempenham atualmente e saiba, na visão delas, quais são os maiores desafios que cada uma enfrenta em seu setor.

Cris Rosenbaum – Loja física da Feira na Rosenbaum

mulheres que lideram negócios de arquitetura e design
Cris Rosenbaum. Daniel Ribeiro / Valentin Studio/CASA CLAUDIA

Cris é estilista e, desde de 2012, curadora de design e fundadora da Feira na Rosenbaum, plataforma criativa que reúne artistas brasileiros independentes. Foi pensando na necessidade de expor e comercializar criações de artistas e designers que estavam desenvolvendo um trabalho autoral, que Cris idealizou um espaço para fortalecer esse movimento. Comprometida com valores de responsabilidade social e sustentabilidade, ela ajuda a promover a rica diversidade cultural do nosso país.

“Para mim, ser mulher e atuante no nosso mercado é ter a capacidade de agir de forma agregadora. Entendo que minha força feminina pode promover esse lugar de união, de soma, e assim fortalecer toda uma rede de artistas, designers e criativos que hoje integram a Feira na Rosenbaum. Esse ano completamos 10 anos e acredito que isso só foi possível por conta desse olhar que une, soma, multiplica, partilha e agrega tantos parceiros, cuidando de cada relação. Também acho que a sensibilidade me permite estar sempre atenta a novos talentos e artistas”, diz.

Camila Raghi – Refúgios Urbanos  

mulheres que lideram negócios de arquitetura e design
Camila Raghi. Eduardo Nicolau/CASA CLAUDIA

Arquiteta e urbanista formada pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Camila trocou Curitiba por São Paulo há 15 anos para se dedicar às suas maiores paixões: projeto e restauro. Após acumular experiência em diversos escritórios de arquitetura por mais de dez anos, em 2017 abraçou uma nova carreira no mercado imobiliário. Atualmente, é uma das sócias da Imobiliária Refúgios Urbanos, e atua como consultora imobiliária especialista em casas assinadas, coordenadora da equipe de corretores da zona oeste paulistana, além de encabeçar diversos projetos culturais dentro da empresa. 

Continua após a publicidade

“O mercado imobiliário brasileiro ainda é bastante masculinizado, principalmente se pensarmos no conceito arraigado em nossas raízes históricas de patrimônio ligado ao patriarcado. Afortunadamente, há décadas a força feminina faz um enorme esforço para romper com barreiras ultrapassadas, não como uma guerra, mas sim em uma luta por inclusão. E traz consigo uma liderança aberta ao diálogo, intuitiva, agregadora, criativa e empática. É neste contexto de busca por um maior equilíbrio social neste setor — aliada à capacitação profissional — em que me vejo. Trabalhando como sócia de uma empresa que busca organicamente uma balança mais justa não só do ponto de vista de gêneros — mas também social, racial, econômica e ambiental — e gerindo equipes sempre com um olhar feminino atento e sensível com um propósito maior”.  

Marcela Del Guerra – Herman Miller

mulheres que lideram negócios de arquitetura e design
Marcela Del Guerra. divulgação/CASA CLAUDIA

Marcela é Retail Manager da Herman Miller Brasil, onde atua há mais de seis anos. Formada em design de interiores pela Belas Artes, trabalha com varejo há 15 anos, realizando gestão de pessoas e treino de equipe para jornada do cliente. Entusiasta da história da marca onde trabalha, ela conhece conceitos e origens das peças, além de Contextos históricos e curiosidades inusitadas sobre as criações.

“Ser mulher e construir uma carreira no mercado de design e arquitetura é uma grande conquista e motivo de orgulho e de constante firmeza. A Herman Miller, em 2018 colocou à frente da marca sua primeira CEO mulher: Andi Owen. É muito bom trabalhar numa empresa que apoia as mulheres e oferece condições satisfatórias e igualitárias. Esse tipo de investimento, em nós mulheres, expande a visão enquanto força social. Hoje eu quero contratar mais mulheres, oferecer o mesmo que me foi ofertado, expandir, contar minha história e inspirar jovens que estão entrando no mercado de trabalho. Acredito que a consciência precisa vir de dentro das corporações, além disso, fortalecer redes do feminino dentro do local de trabalho gera potências elevadas que saberão lutar por dificuldades mesmo que mínimas e muitas vezes ocultas.”

Patricia Martinez

mulheres que lideram negócios de arquitetura e design
Patricia Martinez. divulgação/CASA CLAUDIA

Patricia Martinez é a CEO do estúdio de arquitetura Patricia Martinez. A arquiteta paulistana é formada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e atua há 17 anos em projetos corporativos e residenciais de alto padrão e, desde 2002, tem trabalhado também para projetos internacionais na Suécia, Madri, Nova York, Nápoles, Aspen, Las Vegas e Panamá. Seu estúdio de arquitetura é a expressão de suas principais influências, como as linhas retas, ambientes minimalistas, vivos e dinâmicos e o uso de texturas sensoriais.

“Ainda é um grande desafio porque existe uma construção social de que as mulheres arquitetas estão mais presentes na arquitetura de interiores. Essa ideia vem desde o início da profissão, onde engenharia e arquitetura eram quase a mesma coisa, e era um ambiente para homens. Vejo que a presença da mulher na arquitetura vem muito no sentido de complementar e contribuir com uma linguagem mais delicada, com atenção aos detalhes e equilíbrio entre conteúdo e sensibilidade. Hoje, apesar de mais de metade dos alunos dos cursos serem mulheres, ainda existe um espaço escasso no mercado de trabalho para a parte de arquitetura, que vem crescendo e mudando nos últimos anos. Por isso, por enquanto, se posicionar no mercado como mulher ainda é um grande desafio”.

Continua após a publicidade

Publicidade