Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Acidente no berço faz mãe empreender com modelo mais seguro

Inspirada pelo modelo montessoriano, Amanda Chatah repaginou o quarto da filha e, de forma natural, virou empresária

Por Nathalie Silva (colaboradora) 25 ago 2021, 17h05

Um verdadeiro susto despertou em Amanda Chatah, 42, o desejo de empreender. Quando sua segunda filha, Olívia, tinha apenas oito meses de vida, caiu do berço – um queda leve em que nada grave aconteceu –, mas com medo da situação se repetir, a gestora de marketing resolveu repaginar o quarto inteiro da pequena, visando o modelo montessoriano. O método consiste em deixar os móveis à altura da criança, para que ela possa se aventurar e para incentivar sua independência.

A primeira mudança no quarto de Olívia foi a cama, o velho berço deu lugar a uma casinha bem espaçosa que cabia ela e os pais no mesmo espaço. “Eu desenhei o modelo inspirada em referências internacionais de ‘cama casinha’ e meu marido, José, que é engenheiro, reproduziu. Nós dois decidimos que ela seria inteira de madeira maciça de reflorestamento e teria um tamanho especial para a gente poder dormir com a nossa menina, coisa que o berço não possibilitava”, conta Amanda. 

Veja também: Veja as fotos do lindo quartinho montessoriano do bebê de Camilla Camargo

Cama
Cama no modelo montessoriano |Renata D' Almeida/Arquivo pessoal

Assim, em 2016, a empreendedora começou a compartilhar com os amigos as mudanças que fez no quarto da filha – a “cama casinha” conquistou a todos que pediram uma também para seus filhos. “Enxergamos ali a possibilidade de um novo negócio e a oportunidade de empreender com uma experiência que nós dois vivemos juntos, dentro da nossa casa”, explica. 

O marido deixou o antigo emprego de construtor de prédios e Amanda, que antes trabalhava com moda, resolveu se dedicar inteiramente aos filhos e a sua marca de móveis que acabava de surgir, a Muskinha.

“Como nada foi planejado e simplesmente aconteceu, nós fomos aprendendo tudo na raça, ou seja, fazendo, testando e errando muito inicialmente. Depois que o dinheiro começou a entrar, tivemos a oportunidade de fazer algumas consultorias para entender mais sobre o setor”, relata. 

Amanda e José
Amanda e seu marido, José, na fábrica da Muskinha |Renata D' Almeida/Arquivo pessoal

Outro obstáculo que surgiu na vida da empresária foi a pandemia. Mesmo com a fábrica fechada por 20 dias, os pedidos não paravam de chegar. Como a crise parecia ser passageira, a empresária foi segurando os pedidos. Ao ver que a situação iria perdurar e com o aumento da matéria-prima em 40% no mercado, a solução foi arregaçar as mangas.

Continua após a publicidade

“Para nossa surpresa, as vendas começaram a aumentar, porque com o isolamento, o olhar das pessoas se voltaram para seus lares. Contratamos mais funcionários às pressas. Tivemos que encontrar outros fornecedores para manter a nossa proposta de que toda matéria-prima da Muskinha fosse 100% brasileira e conseguimos”, diz. “Com o tempo, fomos entendendo que tudo deveria ser dividido, então criamos estoques maiores do que tínhamos antes.” 

Divulgação
Unidade da Vila Mariana da loja Muskinha |Priscila Furuli/Arquivo pessoal

Agora, de acordo com Amanda, as coisas estão bem mais controladas. “Hoje me sinto muito orgulhosa, pois dobramos o faturamento de 2019 para 2020, indo de 1,5 milhões para 3 milhões. A marca saiu da varanda da minha casa e vem conquistando um público que sempre volta”, comemorou.

A gestora brinca que Muskinha é seu quarto filho. A empresa chegou em um momento que, ao mesmo tempo em que Amanda queria trabalhar, ela também queria ser mãe e acompanhar cada progresso dos seus filhos.

“Temos nossa filha mais velha, Flora, de 21 anos, que trabalha conosco, Olívia, de 7 anos, e o caçula Antônio, de 2 anos. Tudo o que faço é por eles. Recentemente, nossa nova loja foi inaugurada no bairro Vila Mariana, em São Paulo, e receber um abraço da minha primogênita, ouvir que ela tinha orgulho de mim nesse dia fez tudo valer a pena”, declara.

Da esquerda para a direita Amanda, Antônio, Flora, Olívia e José
Da esquerda para a direita, Amanda, Antônio, Flora, Olívia e José |Renata D'Almeida/Arquivo pessoal

Para conhecer ainda mais o trabalho de Amanda, acompanhe pelo Instagram da loja ou site de compras.

  •  

    Continua após a publicidade
    Publicidade