CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR R$ 14,90/MÊS
Denise Steiner Por DERMATOLOGIA A médica Denise Steiner é dermatologista, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia e doutora pela Unicamp

Qual a diferença entre preenchimento e toxina botulínica?

Apesar de terem objetivos bem parecidos, como suavizar as rugas, os dois procedimentos são bem diferentes

Por Denise Steiner 11 jul 2019, 10h00

Recebo todos os dias pessoas que confundem a técnica de preenchimento com a técnica de aplicação de toxina botulínica. A toxina botulínica é uma substância usada para tratamento das rugas de expressão. Essas rugas de expressão são evidenciadas abaixo nos locais mais importantes: músculo frontal, região da glabela e também ao redor dos olhos chamados de pés de galinha. 

A toxina botulínica é preparada na hora da aplicação sendo diluída em soro fisiológico e então injetada no músculo. A aplicação de toxina botulínica no músculo, promove o relaxamento do mesmo e dessa forma, a força não é tão intensa e o rosto fica com aspecto mais leve e suave. Após a aplicação da toxina botulínica no músculo existe um período de 3-5 dias para ocorrer o resultado.

É importante que após a aplicação o paciente não se deite por quatro horas, não massageie o local e não faça exercício físico por 48 horas sempre visando manter a cabeça ereta. O mecanismo de ação da toxina botulínica é a inibição da acetil-colina que é necessária para contração do músculo. A duração do efeito é por volta de 5-6 meses quando então o músculo volta a contrair normalmente. A toxina botulínica deve ser evitada em locais da face que comprometam os músculos do sorriso, fala, ou seja, todos os movimentos fisiológicos da boca.

O Preenchimento, diferente da toxina botulínica, consiste em injetar substâncias biocompatíveis na pele para preencher, sustentar, volumizar e harmonizar. Então, uma grande diferença é que a toxina botulínica é aplicada no músculo e o preenchedor é aplicado na pele. O mecanismo de ação do preenchimento é que aplicado na pele é diferente daquela da toxina botulínica que é usada no músculo. Ele consiste em ocupar os espaços vazios, atrair água para local e também estimular o colágeno.

As principais substâncias aplicadas na pele com essa finalidade são: ácido hialurônico, hidroxiapatita de cálcio e policaprolactona. O ácido hialurônico tem vários subtipos que apresentam elasticidade e viscosidade diferentes entre si. Ele atrai água, hidrata o local e tem um potencial pequeno para estimular o colágeno. A hidroxiapatita de cálcio é uma substância biocompatível que tem dupla função, porque pode preencher e também estimular o colágeno. Diferente do ácido hialurônico a hidroxiapatita é sempre a mesma não tendo variações como o ácido hialurônico

Para exemplificar, usamos nas olheiras o ácido hialurônico com molécula menor e com bom espalhamento e pouca projeção volumétrica. Na boca, usamos o ácido hialurônico com molécula intermediaria flexível, e boa coesividade. O produto precisa espalhar bem sem provocar endurecimento ou projeção em excesso. Quando queremos projetar, como na região malar ou queixo escolhemos o ácido hialurônico, hidroxiapatita de cálcio ou policaprolactona com G prime alto para projetar e volumizar. Para realizar o preenchimento de forma adequada é necessário conhecer a anatomia detalhadamente e com profundidade para evitar complicações causadas pelo entupimento de artérias ou prejuízo dos nervos.

Continua após a publicidade

Em geral, após a avaliação detalhada do rosto, o produto é aplicado, com cânula ou agulha sempre na pele, mas em planos variados tais como derme, hipoderme, periosteal, dependendo da necessidade de cada rosto.

A duração do preenchimento pode variar de 1-2 anos dependendo da genética, do tipo de pele e da quantidade utilizada de produto.

A clínica Denise Steiner é especializada em preenchimento desde os anos 90 e sempre com atualização cientifica e inovação. Sua fundadora, Denise Steiner desenvolveu ao longo dos anos, técnicas que combinam o efeito de levantamento com a projeção de áreas relevantes. Os médicos da clínica são altamente treinados em anatomia e estão sempre preocupados com a segurança e resultados naturais.

Leia mais: Melasma pode ter cura?

 

Continua após a publicidade
Publicidade