CLIQUE E ASSINE A PARTIR R$ 6,90/MÊS
Denise Steiner Por DERMATOLOGIA A médica Denise Steiner é dermatologista, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia e doutora pela Unicamp

Existe pílula para crescer cabelo?

Remédio para pressão alta tem como efeito colateral a melhora da queda de cabelo, explica a dermatologista Denise Steiner

Por Denise Steiner Atualizado em 25 nov 2021, 11h32 - Publicado em 25 nov 2021, 11h29

O crescimento do cabelo é constante, seguindo sempre num ciclo regular de crescimento, repouso, queda e novamente crescimento, repouso e queda e assim por diante.

Neste processo, o organismo gasta energia em quantidade significativa para esta renovação celular.

Veja também: Rodrigo Cintra revela as tendências de cabelo que surgiram no SPFW

O maior gasto energético no nosso corpo ocorre com as células vermelhas do sangue e o segundo lugar desse consumo é com o folículo piloso, ou seja com o crescimento dos cabelos e pelos.

Por esse motivo, quando ocorrem eventos estressantes e desgastantes para o organismo, geralmente ocorre também uma repercussão de queda de cabelo.

Quando estamos equilibrados e saudáveis, o fio de cabelo cresce por volta de quatro anos, que é a média de tempo da fase de crescimento capilar (anágena) e depois entra numa fase de repouso que dura cerca de três meses (telógena) e então cai e recomeça o ciclo novamente.

Quais doenças provocam queda de cabelo?

Quando não estamos saudáveis e temos doenças como a Covid, pneumonia, doenças da tiroide ou emagrecimento intenso, estresse exagerado, cirurgias, podemos ter queda de cabelo cerca de dois a três meses depois.

Isso acontece porque no momento da agressão, o crescimento capilar é interrompido, o fio entra para o repouso e cai dois a três meses depois.

Além disso existem também doenças como a calvície e alopecia areata, em que o cabelo cai por motivos específicos daquela alteração.

Continua após a publicidade

Qual o remédio para queda de cabelo?

O minoxidil, um remédio usada para pressão alta, é bastante conhecido como medicação para a queda e afinamento capilar. Já em 1980 foi observado que pacientes tratados para hipertensão com minoxidil oral melhoraram da queda de cabelo.

Trata-se de uma medicação ainda off label  (prescrição feita por conta e risco do profissional de saúde) e embora muito eficaz, tem que ser indicada por um médico. Isso porque ele irá avaliar se há indicação e se existem impedimentos específicos em cada paciente.

Ao longo do tempo o minoxidil tópico com concentração de 5% vem sendo muito utilizado para o tratamento da calvície com a posologia de duas vezes ao dia.

No entanto há cerca de quatro anos vem sendo publicados vários trabalhos científicos com a utilização do minoxidil via oral em baixa dosagem. O minoxidil sistêmico em baixas doses tem sido muito eficaz e seguro para o tratamento da perda capilar. Ele age provocando maior vascularização, aumenta a velocidade do crescimento capilar, prolonga a fase de crescimento e torna o cabelo mais espesso e saudável.

O minoxidil em pílulas é utilizado na dose de 1,5 a 2,5 mg/dia com a ingestão de uma por dia.  Sua utilização por via sistêmica é mais prática e fácil do que a aplicação local.

As mulheres preferem o uso via oral, pois o minoxidil tópico provocava modificações na cosmética capilar e a aderência ao tratamento era muito dificultada.

O minoxidil sistêmico em doses baixas tem poucos efeitos colaterais. Entre os efeitos citados estão a hipertricose e edema de membros inferiores.

A queda de cabelo terá melhor prognóstico quanto antes for tratada.

Cuide-se.

Continua após a publicidade

Publicidade