Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Denise Steiner Por DERMATOLOGIA A médica Denise Steiner é dermatologista, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia e doutora pela Unicamp

Conheça os fios de PDO, tratamento que reduz a flacidez da pele

O procedimento não causa alergia e ainda estimula o colágeno a longo prazo

Por Denise Steiner Atualizado em 31 Maio 2021, 16h56 - Publicado em 31 Maio 2021, 16h00

O envelhecimento cutâneo está relacionado com o desgaste da pele, causado por agressões externas e internas ao longo da vida.

A pele é o maior órgão do corpo humano e é o único órgão do indivíduo com dois tipos de envelhecimento: o cronológico e o fotoenvelhecimento.

O colágeno é a proteína mais importante do organismo humano, cooperando com a tonicidade da pele, a flexibilidade dos vasos sanguíneos e ligamentos e com a composição da massa óssea.

Essa proteína é agredida pelo sol, por alimentos açucarados, por doenças como diabete e artrites e também pelo envelhecimento.

Por volta dos trinta anos, já começamos a produzir menos colágeno e desgastar aquele que já possuímos.

Muitos tratamentos faciais têm a intenção de estimular a formação de colágeno, entre eles os peelings, lasers, radiofrequencia e os fios de PDO.

Os fios de polidioxanona não causam alergia e, cerca de dois anos após sua aplicação, são hidrolizados por enzimas naturais e eliminados do organismo. Eles podem ser lisos e espiculados, com tamanhos e espessuras variadas.

Com setas ao longo da sua extensão, os fios devem ser colocados logo abaixo da derme para gerar o efeito de levantamento. Eles vão reposicionar os tecidos, causando efeito “lifting” imediato, além de estímulo de colágeno a longo prazo.

Continua após a publicidade

O procedimento é recomendado para tratamento de flacidez de face e pode ser usado também para melhoria da pele do pescoço, dos braços, das pernas e do abdômen, também conhecido como umbigo triste.

Os fios de PDO lisos e espiculados devem ser colocados por médicos especialistas com conhecimento profundo da anatomia e fisiologia da pele. A aplicação deve ocorrer em ambiente cirúrgico com todo rigor de assepsia necessária para realização de procedimentos invasivos.

Após a aplicação dos mesmos, é necessário evitar muita movimentação do local. No caso do rosto, a pessoa deve falar pouco e ingerir dieta líquida por cerca de quatro dias.

Há poucos efeitos colaterais, que podem ser pequenos hematomas e algum grau de inchaço e dolorimento por cerca de 3 dias.

Cuide da sua pele.

  • É leitora de CLAUDIA? Responde essa pesquisa pra gente se conhecer melhor!

    Continua após a publicidade
    Publicidade