CLIQUE E ASSINE A PARTIR R$ 6,90/MÊS
Kika Gama Lobo Por Atitude 50 Focada na maturidade como plataforma pessoal, a jornalista Kika Gama Lobo escreve sobre as sensações e barreiras que as mulheres de 50 anos vivenciam

#ELENÃO

Porque, mesmo adultas e maduras, o NÃO continua tabu em nossas vidas? Converso com amigas e elas ainda revelam que fazem muitas vezes o que não querem

Por Kika Gama Lobo Atualizado em 3 out 2018, 15h14 - Publicado em 3 out 2018, 14h57

Não. Não pare de ler. Não é sobre política. É sobre tudo o que não queremos, mas insistimos. Porque, mesmo adultas e maduras, o NÃO continua tabu em nossas vidas? Converso com amigas e elas ainda revelam que fazem muitas vezes o que não querem.

Atender a um pedido do filho mimado. Transar sem vontade. Assumir o trabalho de uma colega-mala. Não investir na ginástica e ficar procrastinando. São tantas sabotagens que por vezes achamos aquele comportamento repetitivo mega normal.

E no meio dessa confusão, entram os efeitos nocivos da menopausa, sintomas e sensações que só pioram o quadro. Melancolia, dificuldade de acordar, falta de gás – isso sem falar nos calores, secura e blá blá blá. Precisamos focar é nessa libertação que necessitamos adquirir. Ligar o botão do ” doa-a-quem-doer” e mudar afinal são mais de cinquenta anos se observando. Não aprendeu ainda? Uma dica: você chora no banho? Fica parada olhando feito múmia para a tela do computador? Tem taquicardia sem nenhum episódio de tensão?

A – mi – ga, passe a usar o poder do NÃO. Negue. Comece pela parte mais fácil. Rejeitar um convite que você já sabe que não vai gostar. Dar seu piti particular com os filhos e deixar de ser usada por eles. Não alegar dor de cabeça e dizer pro peguete que o sexo não anda bom.

Pedir demissão (mesmo nesta crise) e recomeçar em outro ofício. Quando eu vejo as balas perdidas aqui no Rio, as mortes acidentais, as doenças de amigas, os ídolos que se vão me pergunto: até quando vou me deixar levar e não ter meus próprios quereres. Que o #ELENÃO seja um mantra de BASTA para eleger um novo modo de VIVER. 

Leia também: Setembro amarelo

Down no High Society Carioca

VOTE no Prêmio CLAUDIA e escolha mulheres que se destacaram

Continua após a publicidade

Publicidade