Qual o limite da competitividade saudável?

Saiba reconhecer se seu filho está levando a disputa no esporte a sério demais – e se precisa de ajuda

A competitividade é um assunto dos mais polêmicos, até mesmo entre os adultos. Pode ser positiva e funcionar como uma bem-vinda mola propulsora para o desenvolvimento, mas assume caráter negativo quando sai do controle e vencer sempre se torna uma obsessão. Entre as crianças, o tema é igualmente premente. Embora não tenha o mesmo peso para as crianças, esse valor está cada vez mais presente na rotina delas, sobretudo nos grandes centros urbanos, e já virou assunto frequente nos consultórios dos terapeutas infantis.

Em entrevista exclusiva, a médica do esporte Maria Beatriz Monteiro, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), explica até que ponto a competitividade é saudável para seu filho – e ensina a reconhecer o momento certo de intervir.

A criança leva a competição tão a sério quanto o adulto?
Não. Até os 8 anos, ela ainda está aprendendo e internalizando esse valor. Pode compreender o que é ganhar ou perder, mas tem mais foco na atividade em si. Só depois o conceito será reforçado pelas vitórias. Mas o que vai determinar se ela se tornará um adulto competitivo é o ambiente em que ela crescerá.

Até que ponto a competitividade é saudável?
Ela é fundamental para a criança reconhecer suas habilidades e aprender a lidar com frustrações, que serão recorrentes ao longo da vida. Mas, se os pais deixam o filho ganhar sempre dentro de casa, dificilmente ele terá habilidade emocional para brincar com outras pessoas e lidar com perdas.

Qual o primeiro indício de que a criança está levando a competição a sério demais?
Quando ela passa a apresentar atitudes competitivas em todos os âmbitos do universo familiar, escolar e nas atividades esportivas, não reage bem ao fracasso e tem baixa tolerância à frustração. Isso compromete a autoestima e ela começa a fugir de situações em que possa perder. Com o tempo, poderá abrir mão de competições, provas e concursos importantes com medo de fracassar.

Como os pais podem ajudar?
Incentivando a criança a assumir uma atitude cooperativa no dia a dia e evitando punições e castigos caso ela não atinja seus objetivos. Assim, estimulam uma competitividade mais saudável. Pais e treinadores devem estar atentos a esse tipo de comportamento e elaborar estratégias que desenvolvam a resiliência, que é a capacidade de se recuperar após uma frustração. Se ainda assim não resolver, é preciso procurar ajuda de um profissional especializado.

*Clique aqui e leia todo o conteúdo do especial O Esporte Ensina 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s