Clique e Assine CLAUDIA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Qual o limite da competitividade saudável?

Saiba reconhecer se seu filho está levando a disputa no esporte a sério demais – e se precisa de ajuda

Por Estúdio ABC
Atualizado em 11 abr 2024, 17h19 - Publicado em 21 dez 2015, 09h03

A competitividade é um assunto dos mais polêmicos, até mesmo entre os adultos. Pode ser positiva e funcionar como uma bem-vinda mola propulsora para o desenvolvimento, mas assume caráter negativo quando sai do controle e vencer sempre se torna uma obsessão. Entre as crianças, o tema é igualmente premente. Embora não tenha o mesmo peso para as crianças, esse valor está cada vez mais presente na rotina delas, sobretudo nos grandes centros urbanos, e já virou assunto frequente nos consultórios dos terapeutas infantis.

Em entrevista exclusiva, a médica do esporte Maria Beatriz Monteiro, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), explica até que ponto a competitividade é saudável para seu filho – e ensina a reconhecer o momento certo de intervir.

A criança leva a competição tão a sério quanto o adulto?
Não. Até os 8 anos, ela ainda está aprendendo e internalizando esse valor. Pode compreender o que é ganhar ou perder, mas tem mais foco na atividade em si. Só depois o conceito será reforçado pelas vitórias. Mas o que vai determinar se ela se tornará um adulto competitivo é o ambiente em que ela crescerá.

Até que ponto a competitividade é saudável?
Ela é fundamental para a criança reconhecer suas habilidades e aprender a lidar com frustrações, que serão recorrentes ao longo da vida. Mas, se os pais deixam o filho ganhar sempre dentro de casa, dificilmente ele terá habilidade emocional para brincar com outras pessoas e lidar com perdas.

Continua após a publicidade

Qual o primeiro indício de que a criança está levando a competição a sério demais?
Quando ela passa a apresentar atitudes competitivas em todos os âmbitos do universo familiar, escolar e nas atividades esportivas, não reage bem ao fracasso e tem baixa tolerância à frustração. Isso compromete a autoestima e ela começa a fugir de situações em que possa perder. Com o tempo, poderá abrir mão de competições, provas e concursos importantes com medo de fracassar.

Como os pais podem ajudar?
Incentivando a criança a assumir uma atitude cooperativa no dia a dia e evitando punições e castigos caso ela não atinja seus objetivos. Assim, estimulam uma competitividade mais saudável. Pais e treinadores devem estar atentos a esse tipo de comportamento e elaborar estratégias que desenvolvam a resiliência, que é a capacidade de se recuperar após uma frustração. Se ainda assim não resolver, é preciso procurar ajuda de um profissional especializado.

*Clique aqui e leia todo o conteúdo do especial O Esporte Ensina 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de 14,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.