Clique e Assine CLAUDIA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

“Apesar de sermos conhecidas, não temos espaço nem voz”, diz Cris Rozeira

O Prêmio CLAUDIA 2019 homenageou a seleção feminina brasileira, que participou da Copa do Mundo 2019

Por Letícia Paiva Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 20 dez 2019, 11h28 - Publicado em 20 dez 2019, 08h00

Há muitos anos, na noite de entrega do Prêmio CLAUDIA, a Sala São Paulo, que fica no centro da capital paulista e recebe concertos e apresentações sinfônicas, é tomada por um grande e animado público. Essa comunhão de pessoas de diferentes áreas profissionais, crenças e origens cria o ambiente ideal para homenagear mulheres e homens que, espalhados pelo Brasil, trabalham incansavelmente para transformar seu entorno, cada qual em seu campo de atuação.

As histórias dos finalistas deste ano foram contadas ao longo dos meses nas páginas de CLAUDIA, e o site da revista ficou aberto para a votação popular, que, somada à apreciação do júri, elegeu as vencedoras e o vencedor.

O resultado foi revelado em 11 de novembro na cerimônia conduzida pela jurada do programa Masterchef, Paola Carosella. A paraense Gaby Amarantos encantou o público interpretando canções compostas por mulheres. Ela usou um figurino pink volumoso com a frase de protesto “Fora, padrão”, referindo-se às pressões impostas aos corpos femininos.

Duas das oito categorias de premiação – Educação e Influenciadora Social – fizeram sua estreia nesta edição. Desta vez, CLAUDIA decidiu prestar também uma homenagem especial às mulheres que tiveram atuação marcante para o país, de maneira geral, e ofereceu o prêmio Mulheres do Ano para a seleção feminina brasileira, que participou da Copa do Mundo 2019.

Como na data do evento as meninas do futebol estavam na China para um torneio amistoso, elas enviaram um vídeo com uma mensagem de agradecimento. Para receber o tributo, anunciado pela comunicadora e empresária Camila Coutinho, subiu ao palco a jogadora Cristiane Rozeira.

Atualmente atleta do São Paulo, ela é a maior artilheira em Jogos Olímpicos e já disputou quatro Copas, inclusive a deste ano. “É muito importante esse tipo de reconhecimento, porque, apesar de sermos muito conhecidas e ganharmos visibilidade de quatro em quatro anos, no restante do tempo não temos espaço nem voz”, disse Cris. Essa foi apenas uma das várias emoções da noite, que podem ser conferidas a seguir.

Continua após a publicidade
Paola Carosella
A chef Paola Carosella, que conduziu a cerimônia com muita sensibilidade. (Mariana Pekin/CLAUDIA)
Maitê Schneider e a drag queen Rita von Hunty
A finalista de Trabalho Social Maite Schneider e a drag queen Rita von Hunty. (Flavio Moret/CLAUDIA)
Cris Rozeira e Camila Coutinho
A jogadora Cris Rozeira, que representou a seleção feminina brasileira, e Camila Coutinho, comunicadora (Mariana Pekin/CLAUDIA)
Paulo Miklos, Guta Nascimento e Fábio Carvalho
O cantor Paulo Miklos, a diretora de CLAUDIA, Guta Nascimento, e o presidente do Grupo Abril, Fabio Carvalho (Anna Quast e Ricky Arruda/CLAUDIA)
Isabella D'Ercole e Gustavo Borges
Isabella D’Ercole, redatora-chefe de CLAUDIA, e Gustavo Borges, engenheiro (Mariana Pekin/CLAUDIA)
Luiza Helena Trajano (de vermelho) e Sonia Hess (de pink, atrás de Luiza) com integrantes do grupo Mulheres do Brasil
Luiza Helena Trajano (de vermelho) e Sonia Hess (de pink, atrás de Luiza) com integrantes do grupo Mulheres do Brasil (Anna Quast e Ricky Arruda/CLAUDIA)
Laerte
A chargista Laerte Coutinho (Mariana Pekin/CLAUDIA)
DJ Sophia e MC Soffia
A DJ Sophia e a cantora MC Soffia, que entregou um dos prêmios da noite. (Arquivo Pessoal/Reprodução)
Rachel Maia
Rachel Maia, CEO da Lacoste no Brasil. (Mariana Pekin/CLAUDIA)
Márcio Gomes e Taiga Corrêa
Os jornalistas Márcio Gomes e Taiga Corrêa. (Mariana Pekin/CLAUDIA)
Guida Pfisterer Souto Corrêa e Thomaz Souto Corrêa
Guida Pfisterer Souto Corrêa, estilista, e Thomaz Souto Corrêa, que já foi diretor de CLAUDIA (Mariana Pekin/CLAUDIA)

Conheça os vencedores do Prêmio CLAUDIA:

Neide de Jesus, vencedora na categoria Políticas Públicas:

Neide de Jesus
(Mariana Pekin/CLAUDIA)

Em Alcântara, no Maranhão, a primeira vencedora da noite, Neide de Jesus, lidera há quatro décadas a comunidade quilombola Itamatatiua. Neide contrariou as convenções ao ser eleita liderança pelos outros moradores mesmo sendo solteira e mãe, uma afronta para os valores da época.

Com grande capacidade de diálogo e articulação, uniu as mulheres para criar uma associação e um centro de produção de cerâmica, arte centenária na região. Ela é uma das responsáveis por gerar renda e autonomia entre as artesãs, que revertem o desenvolvimento para a comunidade.

Por causa deste trabalho já viajou por todo o Brasil para apresentar a arte da sua região e participar de debates políticos para a demarcação das terras onde fica o seu quilombo. Muito discreta, ficou emocionada ao receber o prêmio.

Neide de Jesus e Juliana de Faria
A líder comunitária Neide de Jesus recebeu o troféu das mãos de Juliana de Faria, cofundadora da organização não governamental Think Olga e vencedora na categoria Trabalho Social em 2016. (Mariana Pekin/CLAUDIA)
Neide de Jesus e Teuda Bara
Neide é abraçada pela atriz Teuda Bara, candidata de Cultura. (Mariana Pekin/CLAUDIA)

Nilza de Jesus Santos, vencedora na categoria Educação:

Nilza de Jesus Santos
“Muita gente não sabe, mas eu só me formei em uma faculdade depois dos 40 anos. Mesmo assim, sempre fui educadora” (Mariana Pekin/CLAUDIA)

No ano passado, o Prêmio CLAUDIA teve como tema central a educação e homenageou a escritora de literatura infantojuvenil Ruth Rocha. Neste ano, foi criada a categoria Educação para reconhecer profissionais que, em seu dia a dia, fazem do ensino uma ferramenta para transformar a sociedade.

Continua após a publicidade

Enfrentando diversas batalhas, a vencedora Nilza de Jesus Santos trabalha há três décadas na comunidade do Calabar, em Salvador. Sua atuação como líder da Escola Aberta do Calabar promove a valorização das raízes afro dos alunos e ressalta a importância da cidadania.

Construída por meio da união dos moradores, a instituição, além de atender as crianças da região, mantém projetos que auxiliam a comunidade a ter acesso a seus direitos. “Ninguém consegue se transformar sem educação. Por isso eu luto por essas crianças, para que elas tenham dignidade e possam ser o que quiserem”, disse Nilza no palco.

Nilza de Jesus Santos e Rachel Maia
A estatueta da educadora foi entregue por Rachel Maia, CEO da Lacoste no Brasil (Mariana Pekin/CLAUDIA)

Juliana Estradioto, vencedora na categoria Inovação e Ciências:

Juliana Estradioto
“Eu descobri por meio da ciência que os jovens podem ser protagonistas. Então nos valorizem e nos incentivem agora” (CLAUDIA/CLAUDIA)

Com 19 anos, Juliana Estradioto é mais jovem do que o Prêmio CLAUDIA, como ela própria ressaltou em seu discurso. Mas nem por isso menos importante. Em pesquisas durante o ensino médio público em Osório, interior do Rio Grande do Sul, ela usou rejeitos orgânicos de frutas para criar material ecológico capaz de substituir o plástico.

Além do trabalho que desenvolve em laboratório, ela atua para incentivar outras jovens a fazer pesquisa. “Eu nunca teria entrado no mundo da ciência se não fosse o caminho que percorri desde o ensino básico, tendo o apoio de educadores como a minha mentora, a professora Flávia Twardowski”, destacou.

Continua após a publicidade

Durante a premiação, esteve ao lado de duas pesquisadoras experientes, as finalistas da mesma categoria, Fernanda Abra e Luciana Carvalho, que se emocionaram e comemoram a vitória da mais nova candidata desta edição.

As três finalistas da categoria Inovação e Ciências se abraçaram após o anúncio da vencedora.
As três finalistas da categoria Inovação e Ciências se abraçaram após o anúncio da vencedora. (Mariana Pekin/CLAUDIA)
Cris Irigon, Juliana Estradioto e Daniela Cruz
Cris Irigon, diretora de marketing da Vult, e Daniela Cruz, cofundadora da marca, que apoia a premiação, entregaram o prêmio a Juliana Estradioto. (Mariana Pekin/CLAUDIA)

Tuany Nascimento, vencedora na categoria Cultura:

Tuany Nascimento
“Ela começou dando aulas de balé na quadra de futebol, mas conseguiu arrecadar recursos para ensinar em um espaço construído no alto do morro”, disse Ana Gabryelle, irmã de Tuany (Flavio Moret/CLAUDIA)

Na mesma época em que soube que estava entre as finalistas do Prêmio CLAUDIA, a bailarina Tuany Nascimento foi aprovada em uma audição para passar uma temporada de quatro meses entre Grécia e Chile com a Cia. de Dança Nikos.

A viagem foi marcada para a manhã de 11 de novembro, mesma data da premiação. Ela compareceu ao jantar com as finalistas, na noite anterior, e sua irmã Ana Gabryelle Nascimento foi à Sala São Paulo representá-la.

“Fiquei muito dividida, mas, mesmo sabendo que não poderia estar na cerimônia, fiz questão de vir e conhecer as outras finalistas”, contou Tuany, ainda sem saber que seria vencedora.

Continua após a publicidade

Moradora de uma favela no Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, Tuany criou o projeto Na Ponta dos Pés para dar aulas de balé a meninas da comunidade. Durante o período em que estará fora, a irmã vai gerenciar a iniciativa. “Sou a única de seis filhos que não dança (risos). Mas tenho muito orgulho de ter a Tuany como irmã”, disse Ana.

MC Soffia e Ana Gabryelle Nascimento
Vencedora na edição de 2017, MC Soffia homenageou mulheres com iniciativas nas artes e entregou o troféu a Ana Gabryelle Nascimento, irmã da vencedora, que não pôde comparecer. (Mariana Pekin/CLAUDIA)

Jefferson Drezett, vencedor na categoria Eles por Elas:

Jefferson Drezett
“Eu não posso dizer que este é um prêmio só para mim. Quero muito dividi-lo com os outros finalistas, Tião e João. Ele é nosso” (Anna Quast e Ricky Arruda/CLAUDIA)

As mulheres e suas realizações sempre foram as protagonistas do Prêmio CLAUDIA em toda a sua história. Nesta edição, não seria diferente. Foram 22 finalistas em diferentes categorias, além das Mulheres do Ano.

No entanto, desde 2017, celebramos também o trabalho de homens que atuam em favor da equidade de gênero, chamando a atenção para a responsabilidade masculina nessa batalha.

“É profundamente triste que os homens estejam aqui por terem que ajudar mulheres porque elas são vítimas de violência. Mas que bom que, pelo menos, a gente pode ajudar”, disse o médico Jefferson Drezett ao subir ao palco.

Continua após a publicidade

Ele criou um modelo de atendimento a vítimas de estupro e acesso ao aborto legal como ginecologista do Hospital Pérola Byington, em São Paulo, que se tornou referência. Tratando de um tema que enfrenta resistência na sociedade brasileira, Jefferson revelou ter ficado surpreso com o reconhecimento do júri.

Jefferson Drezett e Paulo Miklos
O troféu foi entregue pelo cantor e ator Paulo Miklos. (Anna Quast e Ricky Arruda/CLAUDIA)

Adriana Barbosa, vencedora na categoria Empreendedorismo e Negócios:

Adriana Barbosa
(Anna Quast e Ricky Arruda/CLAUDIA)

Para entregar a estatueta da categoria, a apresentadora Paola Carosella chamou ao palco a “grande dama do empreendedorismo brasileiro”, como ela intitulou Luiza Helena Trajano, que venceu o Prêmio CLAUDIA em 2003.

A presidente do conselho de administração do Magazine Luiza homenageou a também empreendedora Adriana Barbosa, criadora da Feira Preta. Adriana trabalha para fortalecer negócios de pessoas negras no Brasil. Também organizou a PretaHub, empresa responsável pela feira, entre outros eventos, que oferece serviços como apoio à digitalização de negócios.

Em sua fala, Adriana comemorou não apenas a própria vitória mas a de outras mulheres negras na noite.

Adriana Barbosa e Luiza Helena Trajano
A empreendedora Adriana Barbosa recebeu o prêmio das mãos de Luiza Helena Trajano, que é sua mentora profissional. (Anna Quast e Ricky Arruda/CLAUDIA)

Maíra Azevedo, vencedora na categoria Influenciadora Social:

Maíra Azevedo
“Preta e nordestina, sempre olhei para as revistas femininas e sonhava em me ver. Hoje, eu subo neste palco premiada” (Mariana Pekin/CLAUDIA)

A categoria estreante Influenciadora Social reconhece mulheres que usam sua influência na internet para falar de causas sociais e ajudar a provocar mudanças. Acompanhada de uma torcida organizada composta por amigos e seguidores, a baiana Maíra Azevedo, conhecida como Tia Má, foi ovacionada após seu nome ser anunciado como vencedora.

Protagonista de stand-ups que rodam o Brasil e autora de vídeos de humor que divulga no YouTube, Maíra fala sobre racismo, amor-próprio e aceitação. Ressalta sempre que é preta, pobre, gorda, favelada e do candomblé.

Ela dedicou a vitória aos homens e mulheres cujas histórias são transformadas por seu trabalho. “Este prêmio é de toda mulher preta que nunca conseguiu se enxergar e que, por meio dos meus vídeos, se vê”, disse.

Maíra com Rita von Hondy e seu filho Aladê Koman
“Eu tenho a alegria incomensurável de anunciar que a vencedora é Maíra Azevedo”, disse Rita von Hunty ao revelar o resultado da categoria Influenciadora Social. (Mariana Pekin/CLAUDIA)
Maíra e seu filho Aladê Koman
Maíra subiu ao palco acompanhada pelo filho, Aladê Koman, 11 anos. (Anna Quast e Ricky Arruda/CLAUDIA)

Sandra Santos, vencedora na categoria Trabalho Social:

Sandra Santos
“Quando comecei a trabalhar em uma instituição para internação de adolescentes, me disseram para ficar longe daquelas mulheres, que eram mães de bandido” (Anna Quast e Ricky Arruda/CLAUDIA)

A cozinheira Sandra Santos ficava arrasada ao observar o cansaço e a fragilidade de mulheres que passavam horas nas filas em frente a uma unidade de internação para adolescentes em conflito com a lei em Belford Roxo, no Rio de Janeiro.

Todas estavam ali esperando o horário da visita. Mães, tias e avós dos jovens frequentemente vinham de outros municípios e aguardavam sem ter acesso a alimentação adequada nem sequer a um banheiro.

Além de oferecer carinho e apoio, Sandra arrecadou fundos e alugou uma casa próxima à instituição, que recebeu o nome de Casa da Mãe Mulher. Nos dias de visita, às quartas e sábados, o lugar fica cheio.

Ali, as mulheres podem descansar. “Esse trabalho é muito gratificante. Eu amo o que eu faço, amo essas mulheres. Todos nós temos uma missão e cuidar delas é a minha”, disse Sandra, em fala que arrebatou o público que assistiu à premiação na Sala São Paulo.

Mariana Kotscho, Sandra Santos e Raiane
A jornalista Mariana Kotscho foi jurada do Prêmio e também abriu o envelope com o nome da vencedora na categoria Trabalho Social. Sandra foi acompanhada pela filha Raiane, 16 anos. (Anna Quast e Ricky Arruda/CLAUDIA)

Veja mais fotos do Prêmio CLAUDIA:

Gaby Amarantos
A cantora Gaby Amarantos foi a atração musical da noite. Em homenagem às jogadoras da seleção brasileira feminina, ela cantou a música Jogadeira, composta pelas atletas Cacau Fernandes e Gabi Kivitz. (Anna Quast e Ricky Arruda/CLAUDIA)
Plateia Prêmio CLAUDIA
Na plateia, Fabio Carvalho, presidente do Grupo Abril, e Luiza Helena Trajano. (Anna Quast e Ricky Arruda/CLAUDIA)
Casa cheia para prestigiar a cerimônia do Prêmio CLAUDIA
Casa cheia para prestigiar a cerimônia do Prêmio CLAUDIA. (Anna Quast e Ricky Arruda/CLAUDIA)
A equipe de CLAUDIA no Prêmio CLAUDIA
A equipe de CLAUDIAA equipe de CLAUDIA (Anna Quast e Ricky Arruda/CLAUDIA)
As premiadas da edição com a motorista homenageada pela 99, Livia Casaes
As premiadas da edição com a motorista homenageada pela 99, Livia Casaes (Anna Quast e Ricky Arruda/CLAUDIA)
Luiza Helena Trajano
Durante a cerimônia, Luiza Helena Trajano, do Magazine Luiza, empresa apresentadora do prêmio, discursou para a plateia na Sala São Paulo. Antes, em almoço especial, ela compartilhou com as finalistas aprendizados adquiridos nos anos de experiência que transformaram sua carreira. (Mariana Pekin/CLAUDIA)
Pâmela Vaiano e Livia Casaes
Patrocinadora do evento, a 99 homenageou suas motoristas mais inspiradoras. A diretora de comunicação da empresa, Pâmela Vaiano, chamou a atenção para a desigualdade de oportunidades no mercado de trabalho entre homens e mulheres antes de chamar a motorista Livia Casaes ao palco. (Flavio Moret/CLAUDIA)
Paola Carosella
A apresentadora Paola Carosella com Carlos Beltrán (@carlosbeltranhairstylist). O profissional e sua equipe fizeram uma tarde de beleza para as finalistas com apoio da Vult (Mariana Pekin/CLAUDIA)
Malía, DJ Sophia e Isiz Aguiar
Ao lado, a cantora Malía, a DJ Sophia e a produtora Isiz Aguiar em espaço decorado pela Westwing na Sala São Paulo. (Mariana Pekin/CLAUDIA)
Paletas Los Los
Adoçaram a noite dos convidados as paletas Los Los. (Mariana Pekin/CLAUDIA)
Revista CLAUDIA de Novembro e produtos da Vult
A Vult, apoiadora do evento, distribuiu mimos de beleza ao final da cerimônia, entregues com edições da revista e bottons da 99. (Mariana Pekin/CLAUDIA)
Cacau Noir
As finalistas foram presenteadas com bombons da Cacau Noir Chocolates (Edna Marcelino/Divulgação)
Corrente com o símbolo do Prêmio CLAUDIA
As finalistas foram presenteadas com uma corrente que trazia o símbolo da premiação, a mulher alada (Flavio Moret/CLAUDIA)
Livro
As finalistas foram presenteadas com livros de pano confeccionados pelo Movimento de Mulheres do Jardim Comercial, criada por Mirtes de Souza (@movimentodemulheres) (Flavio Moret/CLAUDIA)
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de 14,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.