Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

6 lições de vida por trás dos ditados populares

Confie na força de provérbios repletos de mensagens construtivas para crianças e adolescentes.

Por Redação M de Mulher Atualizado em 15 jan 2020, 08h16 - Publicado em 27 fev 2014, 21h00

Foto: Getty Images

1. Quando a cabeça não pensa, o corpo padece.

Significado: “Diante de uma dúvida ou situação difícil, muitas vezes agimospor impulso”, explica a psicóloga Andrea Lorena. Refletir antes de partir para o ataque evita as consequências graves de uma atitude tomada sem pensar.

Quando usar – Crianças têm muita energia e ficam excitadas durante as brincadeiras. Calcular os riscos antes de subir no telhado para empinar uma pipa pode evitar consequências graves. Use o provérbio para alertar seu filho depois de uma queda ou acidente. Se tivesse pensado melhor, não teria se machucado.

2. Nada como um dia após o outro.

Significado: Em momentos de crise, é difícil enxergar boas soluções. Para agir com a cabeça fria, é preciso saber esperar. “As consequências denossos atos, boas ou ruins, chegarão um dia de qualquer jeito”, afirma a psicóloga Camila Junqueira Muylaert.

Quando usar – Casos de briga na escola podem parecer intermináveis. Mas tentar reconciliar as crianças logo após o desentendimento é praticamente impossível e acaba gerando falsas reaproximações. Para Camila, esse ditado é ideal para situações em que a criança ou o adolescente se sentem injustiçados diante de uma situação.

3. Quem tudo quer nada tem.

Significado: Não se pode ter tudo na vida. É preciso fazer escolhas. Para Camila, é fundamental exercitar o autocontrole. “Nossos desejos são infinitos. Por isso, devemos limitá-los e valorizar cada uma de nossas pequenas conquistas”, alerta.

Quando usar – Ao mostrar à criança que devemos fazer uma coisa de cada vez, com dedicação e calma. Aprender a tocar flauta, piano e violão ao mesmo tempo não dá certo. Fazer escolhas significa abrir mão de alguma coisa. “Para conquistar algo, é necessário ter paciência, persistência, foco e força de vontade”, explica Camila.

Continua após a publicidade

4. Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura.

Significado: Persistir diante de um desafio ou de uma dificuldade pode ser a chave para o sucesso de qualquer projeto de vida. “Esse ditado ajuda o jovem a não desistir dos próprios sonhos, apesar das dificuldades”, observa Camila.

Quando usar – Principalmente na fase de prestar vestibular, é comum os adolescentes irritarem-se diante de um problema de física ou matemática. Testar novos caminhos, esclarecer dúvidas com o professor e reler um capítulo do livro são atitudes que ajudarão seu filho a entender que na vidanada vem sem esforço e a dose certa de insistência.

5. Quem tem pressa come cru.

Significado: A ansiedade e a pressa fazem cada vez mais parte do cotidianodos jovens, especialmente por causa da velocidade da internet. Mas na vidareal tudo tem seu tempo e é necessário cumprir etapas para atingir qualquer objetivo.

Quando usar – Poucos meses depois de conhecer a namorada, seu filho quer sair de casa para morar com ela. Mostre a importância de amadurecer a história antes de tomar esse tipo de decisão. Mesmo que não seja casamento oficial, morar junto significa investimento de dinheiro e, principalmente, uma mudança enorme no relacionamento.

6. Mais vale um pássaro na mão do que dois voando.

Significado: Ao planejar novos objetivos na vida, devemos cuidar também daqueles já conquistados. Precisamos ir atrás daquilo que queremos e confiar em nossos sentimentos, mas não podemos esquecer das coisas boas que já temos em mãos.

Quando usar – “Se você acha que seu filho é ganancioso e descontente, use o provérbio para que ele entenda o valor de tudo o que tem”, explica Camila. Alerte-o sobre os perigos de propostas duvidosas e milagrosas. “Antes de se aventurar em algo, é preciso avaliar os riscos e garantir a permanência das conquistas já realizadas”, completa a psicóloga.

Fontes: Camila Junqueira Muylaert, psicóloga clínica e doutoranda pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, e Andrea Lorena, psicóloga clínica e mestra pela Faculdade de Medicina da Universidade deSão Paulo.
 

Continua após a publicidade
Publicidade