Clique e Assine CLAUDIA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

54% das mulheres acreditam que feminismo tenta mudar a realidade

Pesquisa inédita de CLAUDIA com 1500 mulheres revela necessidade do movimento se conectar melhor com as mulheres

Por Isabella D'Ercole Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 8 mar 2018, 16h24 - Publicado em 8 mar 2018, 12h23

Junto com a área de Pesquisa e Inteligência Abril em parceria com a MindMiners, CLAUDIA perguntou a 1500 mulheres como elas veem o feminismo hoje. As respostas nos mostram como o movimento ainda precisa crescer (e muito!). Apenas 27% das mulheres se identificam com o movimento feminista. Outras 47% declaram que apenas às vezes se veem representadas.

E um total de 42% acredita que feminismo é o contrário de machismo, mostrando que ainda há muita falta de informação do assunto. Feminismo é, na verdade, um movimento de igualdade de direitos entre homens e mulheres – e não de subjugar o gênero contrário, como faz o machismo. 54% acreditam que o feminismo faz diferença no dia a dia, pois tenta mudar a realidade em que vivemos.

Veja também: Feminismo: Ilustrações para você baixar e colocar onde quiser

No último ano, 29% das mulheres falaram sobre feminismo no Facebook. No grupo das que se identificam com o movimento, o número sobe para 58% (ainda no Facebook). Do total, 10% se declaram muito engajadas e 58% acreditam se engajar de vez em quando, já que preferem não se expor, mas falam quando o tema lhes interessa.

Continua após a publicidade

78% das mulheres defendem que os temas mais importantes para o movimento são “não tolerar nenhum tipo de violência verbal, moral e física”e “igualdade de salários e oportunidades profissionais entre homens e mulheres”.

Outro dado que revela falta de informação é o número de mulheres que declara nunca ter sido assediada, nem na rua, em lugares públicos, no trabalho ou na família: 26%. É mais provável que quem optou por essa resposta tenha medo ou vergonha de admitir o assédio ou não saiba identificar o assédio. Esse é um assunto que precisa ser desmistificado, pois só assim as mulheres se sentirão confortáveis para denunciar.

Assédio

O assédio acontece com maior frequência em espaços públicos (45%), seguido por transporte público (38%), no trabalho (31%), na família (20%) e, por último, em um relacionamento (19%). As mulheres mais assediadas são aquelas entre 25 e 30 anos e as da classe B.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de 14,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.