Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Queloide: tudo o que você precisa saber sobre o assunto

Das causas aos melhores tratamentos, tire suas dúvidas sobre o problema.

Por Júlia Warken Atualizado em 20 jan 2020, 08h31 - Publicado em 16 ago 2017, 19h38

O surgimento do queloide na pele é um problema que afeta milhares de pessoas e muitas pessoas não sabem direito como lidar com isso. Por isso, gente conversou com a dermatologista Caroline Semerdjian, do Hospital 9 de Julho, de São Paulo, para esclarecer todas as dúvidas a respeito desse assunto. 

O que é o queloide?

É uma cicatrização exagerada da pele. Ele surge em decorrência de machucados, pontos feitos em cirurgia, perfurações para piercings e brincos e até mesmo tatuagens. Ao invés de criar uma marca lisinha, a pele cicatrizada fica mais protuberante, apresentando também uma coloração diferente da original.

O que faz com que o corpo desenvolva essa cicatrização irregular?

Caroline diz que não há uma conclusão científica que explique por que certas pessoas desenvolvem queloide e outras não. “É uma coisa que é meio ingrata. Não está relacionado à deficiência de vitaminas ou à alguma alteração no sangue. É apenas referente ao tipo de cicatrização de cada um”.

Como posso descobrir se minha pele desenvolve queloides?

A médica explica que não há nenhum tipo de exame capaz de detectar o problema. “A pessoa só descobre a tendência depois que faz alguma cirugia, ou perfuração, por exemplo”.

É nocivo à saúde?

Não. O queloide costuma incomodar por causa do aspecto, mas a sua formação não apresenta riscos à saúde.

Existe cura?

Não, mas é possível evitar ou, ao menos, minimizar a formação de queloides. Se você já teve o problema no passado – ou tem medo de ter – e precisa passar por uma cirurgia, Caroline aconselha que isso seja informado ao cirurgião. “Assim, quando o médico for dar o ponto na pele, ele vai tomar o máximo de cuidado e usar o menor fio possível. E, para evitar que o queloide surja, é preciso dar uma atenção especial ao pós-operatório”.

Continua após a publicidade

Existem tratamento?

Sim. A médica diz que o tipo de tratamento varia de acordo com as particularidades de cada queloide – como tamanho e localização. “Para um que seja baixinho, pequeno e recente, podem ser usadas pomadas à base de corticoide. Aplicada à longo prazo, essa pomada – ou adesivo – faz a cicatriz baixar. Para as lesões maiores, a gente costuma utilizar o corticoide injetado diretamente no queloide”. As pomadas também podem ser usadas no pós-operatório para evitar o surgimento de novos queloides.

Nos casos em que o queloide já existe, a aplicação do remédio não faz com que a pele volte a ter a coloração original. “Vai ficar uma mancha, mas melhora bastante o aspecto”, explica Caroline. Para os queloides que se formam no lóbulo da orelha, a dermatologista aconselha cirurgia plástica.

Por fim, em situações onde a lesão é muito grande, também é possível fazer a chamada betaterapia. “É uma radiação – como se fosse um raio-x, vamos dizer assim”, explica.

É contagioso?

Não. O queloide não é causado por meio de vírus, nem de bactéria, por isso não é contagioso.

Alguns grupos étnicos desenvolvem queloide com mais facilidade?

Sim. Negros, asiáticos e índios – ou descendentes desses grupos étnicos – têm mais propensão a desenvolver queloide. “Essas pessoas precisam ter um cuidado maior”, alerta Caroline. Segundo a dermatologista, não há uma explicação científica sobre a razão pela qual esses grupos estão mais propensos a desenvolver o problema. “Essa maior incidência é algo que observamos ao longo dos anos, mas não sabemos dizer o por quê”.

É hereditário?

Não necessariamente. Se sua mãe tem problemas com queloide, isso não significa que você terá também. Mesmo assim, se você pertence aos grupos étnicos citados acima, deve tomar cuidado.

 

Continua após a publicidade
Publicidade