CLIQUE E RECEBA EM CASA A PARTIR R$ 14,90/MÊS

Suas pálpebras tremem à toa de vez em quando? Entenda por que

A tremedeira involuntária raramente é maligna, mas quase sempre indica a necessidade de diminuir um pouco o ritmo da vida

Por Raquel Drehmer Atualizado em 17 jan 2020, 11h33 - Publicado em 8 dez 2017, 20h45

Quase todo mundo já passou por isso: você está fazendo suas coisas normalmente, trabalhando ou vendo TV, e de repente uma de suas pálpebras treme. Sem nenhum motivo aparente, só treme. Passado algum tempo, treme de novo. A situação se repete por alguns dias, até essa movimentação sumir. E fica a dúvida: por que isso ocorre?

“Há inúmeras causas, que vão desde estresse, fadiga e excesso de consumo de cafeína até o indício de alguma lesão ocular ou problema neurológico”, explica Rita de Cássia Lima Obeid, especialista em plástica ocular e vias lacrimais do Hospital CEMA.

Esta última parte não deve ser motivo para pânico; na maioria dos casos, o tremor das pálpebras é benigno. “É a chamada mioclonia, que pode inclusive ocorrer em outros músculos, como nas mãos ou nos pés”, afirma a médica oftalmologista Fabiola Gavioli, do CBV Hospital de Olhos. “Nas pálpebras, ela está relacionada ao estresse, à fadiga, ao uso de grau errado nos óculos ou não uso de lentes de correção ou, ainda, à exposição por muito tempo à tela do computador”, continua.

O consumo de cafeína costuma ser um gatilho para os tremores em quem já se encaixa em um desses casos. Mas o café, o chá preto e o chimarrão não conseguem, por eles apenas, causar os “tremeliques”. Ou seja, você pode beber baldes de café (embora não deva, porque nenhum excesso faz bem para o organismo) e não sentir nada nas pálpebras se estiver vivendo uma fase plena e tranquila da vida.

É preciso tratar os tremores das pálpebras?

Normalmente, não é necessário correr para o médico por causa de tremores nas pálpebras. Rita de Cássia reforça que eles podem significar simplesmente que o organismo está cansado, estressado, e precisa de uma desacelerada.

Além disso, Fabíola conta que a condição é autolimitada, por isso vai embora do mesmo jeito que vem: com você um pouco incomodada, mas sem lembrar quando foi o primeiro e quando foi o último tremor. “Em consultório, não há muito que possa ser feito a não ser recomendar que o paciente diminua o ritmo de trabalho, use óculos ou lentes de contato adequadas e evite ficar por muito tempo na mesma posição e com o mesmo foco em frente a um computador. Às vezes receita-se vitamina B, para relaxar os músculos do corpo no geral, mas não mais que isso”, diz.

Continua após a publicidade
Estresse, uso errado de lentes de correção, tempo demais na frente do computador e consumo excessivo de cafeína são os fatores que mais comumente levam aos tremores nas pálpebras VladimirFLoyd/ThinkStock

Mas e aquela história de o tremor da pálpebra poder indicar algo mais grave?

Em ocorrências mais raras, como Rita de Cássia destaca, o tremor dos olhos realmente pode indicar distúrbios no funcionamento ocular e no sistema neurológico ou mesmo a consequência do uso prolongado ou abstinência de calmantes ou alguns tratamentos com estrógeno. “Nesses casos, temos um quadro de blefaroespasmo”, esclarece .

O blefaroespasmo é aquele piscar de olhos involuntário, repetitivo e perceptível. “É preciso diferenciar a mioclonia do blefaroespasmo. A mioclonia não é percebida pelos outros, a não ser que a pessoa fale que está sentindo esses tremores para alguém e peça para ser observada atentamente. Já o blefaroespasmo é uma sequência de piscadas marcantes e notáveis”, explica Fabiola.

Aqui vale lembrar que problemas mais graves, geralmente, não têm sintoma único. O blefaroespasmo sozinho pode ser uma condição isolada e tratada com métodos paliativos (já que não tem cura), como a aplicação de botox na região. Se vier acompanhado de outros sinais é que merece uma atenção especial.

Coceira e vermelhidão ou o blefaroespasmo atingindo outras partes do corpo são alertas para marcar uma consulta com uma especialista. “É importante essa ajuda médica, principalmente quando o tremor começa a impedir o paciente de exercer suas atividades diárias”, orienta Rita de Cássia.

Fique, portanto, atenta aos sinais do seu corpo

Então ficamos assim: se sua vida estiver estressante demais, seu consumo de cafeína estiver nas alturas e você olhar mais para a tela do computador do que para qualquer outra coisa ao longo dos dias e suas pálpebras tremerem involuntariamente, permita-se desacelerar no dia a dia, faça suas tarefas com mais calma, conceda a si pequenos intervalos a cada hora.

Agora, se os tremores vierem acompanhados de fortes piscadas, vermelhidão e coceira, passe por uma consulta com uma oftalmologista. Lembre-se que toda doença diagnosticada precocemente é mais fácil de ser tratada.

Continua após a publicidade
Publicidade