Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Estudo canadense indica que, sim, toda piscina pública tem xixi

Não há como fugir: até nadadores profissionais já admitiram ter o costume de se "aliviar" embaixo d'água.

Por Giovana Feix - Atualizado em 20 jan 2020, 19h14 - Publicado em 3 mar 2017, 12h57

É verão, o calor está bravo e não tem como negar: está todo mundo está à procura daquele(a) amigo(a) com piscina em casa para se refrescar. Para quem tem “mania” de higiene, porém, um estudo recente veio para dar aquela estragada na festa. Isso porque cientistas canadenses descobriram um jeito eficaz de medir a quantidade de urina em piscinas.

Posted by O Brasil Que Deu Certo on Wednesday, December 28, 2016

A descoberta permite que, através da presença e da concentração na água de um adoçante artificial bastante comum em comidas processadas, o acesulfame de potássio, seja possível exatamente descobrir quanto xixi realmente está ali. Essa substância não é digerida pelo corpo humano – o que faz com que ela seja eliminada ~totalmente~.

Continua após a publicidade

Os cientistas analisaram, então, a quantidade de urina presente em duas piscinas públicas no Canadá. O experimento durou cerca de três semanas e comprovou a existência de amostras consideravelmente grandes do líquido em ambas: 75 litros na grande, que tem cerca de 830.000 litros de água e 30 litros na média, cerca de metade da primeira.

Proporcionalmente, a quantidade pode até parecer pouca. Mas a pesquisa comprova que, sim, as pessoas fazem xixi na piscina sem muita preocupação. Foram analisadas 31 piscinas diferentes ao redor do país – e o adoçante foi encontrado em todas elas.

Até nadadores profissionais como Ryan Lochte e Michael Phelps já admitiram publicamente terem o costume de se “aliviar” nas piscinas em que competem e treinam. “Eu acho que todo mundo faz xixi na piscina”, chegou a afirmar Phelps. “O cloro mata, então não tem problema”.

De acordo com o jornal britânico The Guardian, no entanto, não é bem assim: alguns componentes do xixi, como a ureia, amônia e creatinina, podem reagir com alguns desinfetantes e levar a irritações nos olhos e no trato respiratório dos usuários da piscina.

Continua após a publicidade

Se já é assim que funciona no Canadá e entre os atletas norte-americanos, imagina como deve ser no Brasil? 

Publicidade