Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Como ocorre o contágio da Covid-19 em aviões?

Novo estudo mostra como quatro passageiros se infectaram durante um voo internacional de 18 horas

Por Da Redação 8 jan 2021, 18h00

Com a flexibilização da quarentena muitas pessoas já voltaram a viajar de avião e sempre fica aquela dúvida sobre até que ponto é mesmo seguro. Um novo estudo, divulgado pela departamento de saúde da Nova Zelândia e replicado pelo The New York Times, mostrou alguns detalhes de como  quatro passageiros se infectaram com novo coronavírus durante um voo internacional de 18h, entre Dubai e Nova Zelândia.

A partir de mapas de assentos e análises genéticas, a pesquisa provou que um passageiro iniciou uma cadeia de infecção de Covid-19 que se espalhou para outros quatro durante o trajeto. Durante a viagem sete passageiros de cinco países diferentes sentaram em quatro fileiras um ao lado do outro.

Um detalhe é importante: dois destes ocupantes reconheceram que não usavam máscara e que não foi exigido a utilização de máscara no saguão de embarque. Também não foi realizado teste de pré-voo, embora cinco dos sete passageiros posteriormente resultado positivo para o vírus e antes da viagem haviam testado negativo.

Embora, tenha havido falhas na segurança, o voo estava vazio e a maioria dos passageiros tomou precauções de segurança, essa é a novidade da pesquisa. Estudos anteriores sobre surtos em voos focaram em situações que aconteceram no último semestre, quando poucos passageiros usavam máscara, os aviões operavam perto da capacidade máxima e as medidas de proteção não era amplamente compreendidas.

O novo relatório, desse voo vazio em setembro, mostra então que a transmissão pode ocorrer até mesmo quando passageiros e companhia área se previnem da doença.

A conclusão que fica é que mesmo que os passageiros façam todos os cuidados e utilizem máscaras, a propagação da doença pode ocorrer até em voos menores.  Em entrevista ao The New York Times, o especialista Dr. Karan diz que, a menos que todas as medidas preventivas estejam em vigor, haverá algum risco de infecção em quase todos os voos.

É que verificações de temperatura são incomuns e menos confiáveis com indicador de infecção. Testagens da virose não são necessárias em viagens domésticas, embora em voos internacionais a medida de proteção tenha sido exigida.

Para minimizar os riscos, médicos afirmam que a viagem deve ter várias camadas de proteção: este antes do embarque, distanciamento social durante voo e máscaras. Se todos os passos forem feitos de maneira correta as transmissões nas viagens podem ser menores, embora ainda possam ocorrer.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade