Vera Egito denuncia machismo na produção de filmes e novelas

Cineasta convidou profissionais de fotografia a tornarem suas equipes mais diversas

A cineasta Vera Egito usou seu perfil no Instagram para se posicionar contra o profissional que divulgou fotos nuas da atriz Paolla Oliveira nos bastidores de uma gravação.

A diretora do filme Amores Urbanos publicou uma imagem com uma mensagem direcionada a ele escrita em fundo preto: “Ao assistente de câmera e operador de steadycam que fotografou sem autorização uma atriz se trocando no set e espalhou as fotos na internet: comigo você não trabalha nunca mais.”

Leia mais: Globo descobre quem divulgou fotos íntimas de Paolla Oliveira

Na legenda, Vera aproveitou para trabalhar um pouco mais o assunto e afirmou que o autor do crime não é exceção nas equipes de produções audiovisuais no Brasil:

“Esse crime específico foi cometido por um só homem, operador de steadi, que no passado foi assistente de câmera. Entretanto, é bom lembrar que a fotografia e as equipes de câmera são o nicho mais machista do audiovisual: apenas 8% das obras em 2017 teve mulheres como diretoras de foto (todas brancas).

Gafers, assistentes, operadores, eletricistas: é o clube do bolinha. Então a reflexão aqui é a seguinte aos profissionais de fotografia: combatam o machismo em suas equipes, sejam inclusivos, preocupem-se com a diversidade no local de trabalho e entendam que esse caso que é específico reflete um machismo que é generalizado.”

Leia mais: Mulheres na Mídia: “Cinema blockbuster não acredita nas mulheres”

View this post on Instagram

nunca mais #machistasnãopassarão • apesar da concordância verbal deixar claro que está se falando de um único profissional, por inbox uma pessoa demonstrou dúvida sobre se havia sido uma dupla em ação. portanto, explico: esse crime específico foi cometido por um só homem, operador de steadi, que no passado foi assistente de câmera. entretanto, é bom lembrar que a fotografia e as equipes de câmera são o nicho mais machista do audiovisual: apenas 8% das obras em 2017 teve mulheres como diretoras de foto (todas brancas). gafers, assistentes, operadores, eletricistas: é o clube do bolinha. então a reflexão aqui é a seguinte aos profissionais de fotografia: combatam o machismo em suas equipes, sejam inclusivos, preocupem-se com a diversidade no local de trabalho e entendam que esse caso que é específico reflete um machismo que é generalizado.

A post shared by vera egito (@veraegito) on

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s