Patrão sequestra esposa e filha de funcionário

Taina Queiroz, 18 anos, e a filha Sofia Helena da Silva, de oito meses, estavam desaparecidas desde 3 de novembro

Foi preso no último sábado (1º), o homem suspeito de sequestrar a esposa e a filha de seu funcionário. A informação foi confirmada pelo delegado Acácio Leite, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Sorocaba (SP), ao portal G1 neste domingo (2).

Taina Queiroz, 18 anos, e a filha Sofia Helena da Silva, de oito meses, estavam desaparecidas desde 3 de novembro. Após o sumiço das duas, o esposo de Taina e pai de Sofia, Raul Kennedy da Silva, passou a suspeitar que Luis Fernando Lourenço, seu ex-patrão, estivesse envolvido no caso.

“Cheguei e não estavam em casa. Fizemos buscas, mas nada. Não atendeu o telefone e ninguém sabia delas. Fiquei desesperado. Foi então que meu ex-patrão mandou mensagem dizendo que estava com as duas e que elas estavam felizes. Mas ela não me deixaria. Estávamos bem e tenho certeza que ele as raptou”, disse Raul ao G1.

Raul trabalhava com Luis ajudando na divulgação de shows do ex-patrão. O suspeito de sequestro se apresentava como cantor e empresário e ofereceu um emprego ao marido de Taina para que ele entregasse outdoors pelo interior de São Paulo.

Ainda não se sabe o que motivou o sequestro de Taina e Sofia por parte de Luis. “Nunca tive problema com ele, mas é um cara invejoso e não aceitava ver a gente feliz”, contou Raul.

A polícia de Sorocaba não deu detalhes sobre o local ou como Taina e Sofia foram encontradas. a prisão foi feita após uma denúncia de que Luis estava em São Luis do Maranhão. Foi, então, que a polícia do estado passou a investigar a informação e encontrou as vítimas e o suspeito.

Ao saber do achado da esposa e filhas, Raul não escondeu a emoção. “Foi a melhor notícia da vida. Estou muito aliviado e, finalmente, acabou o pesadelo. Agora vamos poder entender o que realmente aconteceu com elas e eu terei minha família de volta. Está todo mundo feliz e até assamos uma carninha para comemorar”, disse Raul ao G1.

Luis encontra-se na penitenciária de Pedrinhas (MA), onde está à disposição da Justiça. Para a conclusão do inquérito policial sobre o caso, configurado em subtração de incapaz, Luis e Taina devem ser ouvidos nos próximos dias.

Já Taina e a filha estão aos cuidados do Conselho Tutelar de São Luis em um abrigo, e devem ser transferidas para Pilar do Sul (SP), cidade onde a família mora.

Leia mais: O golpe quase perfeito que está enganando muita gente no WhatsApp