Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

O primeiro estado americano a punir discriminação contra cabelos crespos

Não faltam relatos de atitudes racistas envolvendo fios de homens e mulheres negras

Por Da Redação - Atualizado em 17 fev 2020, 15h39 - Publicado em 16 jul 2019, 15h18

Em fevereiro, Nova Iorque foi a primeira cidade norte-americana a transformar em lei a punição contra a discriminação de cabelos crespos. Agora o estado da Califórnia fará o mesmo após um projeto de lei semelhante ter sido aprovado no fim de junho. 

A ampliação foi criada pela senadora Holly J. Mitchel, que definiu o projeto com base em suas próprias experiências e nas de outros homens e mulheres negras discriminados no trabalho ou escola.

A lei visa combater situações comuns de racismo contra o cabelo crespo. Por lá, não faltam relatos de estudantes negros que foram enviados de volta para suas casas depois de fazer tranças sob a justificativa de estavam violando as leis de uniformes.

 VEJA os assuntos  que mais estão bombando nas redes sociais

Continua após a publicidade

No ambiente de trabalho a situação não é diferente. Muitas empregadas domésticas informaram que haviam políticas injustas que relacionavam seus cabelos naturais à falta de higiene ou profissionalismo.

Muitas vezes mulheres negras se submetem a métodos perigosos e prejudiciais para alterar a textura dos cabelos, deixando-os mais lisos. Essa prática pode queimar o couro cabeludo ou provocar danos como a queda dos fios.

Holly Mitchel informou que a Crown Act (Criação de um Local de Trabalho Respeitoso para os Cabelos Naturais, em tradução livre) passará a proteger principalmente afro-americanos que continuam sendo alvos de preconceito no país.

Leia mais: O novo e lindo cabelo de Michelle Obama

Continua após a publicidade

+ Teste: você sabe tudo sobre cabelos ondulados, cacheados e crespos?

Síndrome de burnout – Izabella Camargo conta a sua história no podcast Senta Lá, CLAUDIA

Publicidade