Clique e Assine CLAUDIA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Lei que prevê multa por assédio divide opiniões na França

O projeto quer punir assediadores com multas de até 750 euros, mas punição depende de haver flagrante policial

Por Da Redação
8 mar 2018, 20h25

A França está planejando como punição por assédio nas ruas uma multa de até R$ 3 mil, que é equivalente a 750 euros. O projeto de lei está quase sendo concluído, porém já está dividindo opiniões: instituições feministas e a polícia estão se opondo com relação à aplicação da ideia, de acordo com a BBC.

O assédio nas ruas foi batizado de “ultraje sexista e sexual” no texto de apresentação. Todavia, Marlène Schiappa, ministra da Igualdade entre Mulheres e Homens, acredita que o projeto é complicado. Foi levantada a seguinte questão: qual o limite entre o flerte e o assédio no espaço público?

A lei irá punir comentários e comportamentos ofensivos que criem situações hostis, intimidantes e humilhantes. Na prática, isso significa gestos e palavras obscenas, atitudes insistentes após um ‘não’, assobios e tudo o que as mulheres sofrem diariamente. Se o pagamento for feito imediatamente após a denúncia, a multa será de 90 euros (R$ 360). O valor de R$ 3 mil será cobrado se houver fatores agravantes.

Como funcionará?

Para que haja a multa, é preciso que ocorra um flagrante policial. O governo francês optou por esse sistema para evitar a necessidade de a vítima prestar queixa na delegacia. “Já é difícil as mulheres prestarem queixa por estupro. No caso do assédio na rua, mesmo eu, como mulher, não perderia tempo com uma queixa contra alguém que não vai ser localizado. É preciso que haja multas em flagrante delito”, afirma Marlène.

O ministro do Interior, Gérard Collomb, assegura que isso será cumprido pela nova “polícia de segurança do cotidiano”, lançada em fevereiro e que terá 10 mil policiais até 2022.

Continua após a publicidade

O envolvimento da polícia levantou um questionamento importante por Patrice Ribeiro, do sindicato policial Synergie-Officiers: “Quem assedia não é inconsciente a ponto de insultar uma mulher na frente de um policial”. Além disso, a instituição feminista Ouse o Feminismo teme que a agressão ou o assédio sexual se tornem banalizados, punidos com uma simples multa.

“Há grandes incertezas em relação à aplicação dessa lei e aos meios que serão utilizados para isso. Para dar segurança às mulheres é preciso fazer bem mais do que uma inovação legislativa”, diz Raphaëlle Rémy-Leleu, porta-voz do grupo. “Mesmo nos casos de assédio pela internet, onde dispomos de provas escritas, não conseguimos prestar queixa nem fazer com que os agressores sejam punidos”, afirma.

Já para  a ministra da Igualdade entre Mulheres e Homens, quando alguém for multado por ultraje sexista ou sexual, isso servirá de exemplo e terá um valor didático e pedagógico. “Isso faz parte do combate cultural que estamos fazendo e deve levar as pessoas a se interrogar sobre seus comportamentos e a redefinir os limites de tolerância da sociedade”, conclui.

Leia também: Fiamma Zarife, do Twitter, explica por que os filhos frequentam seu trabalho

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Moda, beleza, autoconhecimento, mais de 11 mil receitas testadas e aprovadas, previsões diárias, semanais e mensais de astrologia!

Receba mensalmente Claudia impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições
digitais e acervos nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de 14,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.