Clique e assine Claudia a partir de R$ 8,90/mês

Mulheres compartilham seus casos de assédio sexual no transporte

Com as hashtags #MeuMotoristaAbusador e #MeuMotoristaAssediador, assunto é discutido nas redes sociais

Por Camila Bahia Braga - 29 ago 2017, 12h47

 

Depois de ter sofrido violência sexual por um motorista da Uber (agora desconectado da empresa), a escritora Clara Averbuck transformou a dor em ação: na última segunda-feira (28), com o apoio de outras mulheres, ela lançou as hashtags #MeuMotoristaAssediador e #MeuMotoristaAbusador.

A campanha incentiva as mulheres a denunciarem seus casos de abuso no transporte particular e público. Só a partir da exposição e discussão de um tema é possível haver movimentos de mudança.

Espera-se que as empresas de transporte promovam a conscientização de seus colaboradores sobre a violência contra a mulher. Nas palavras de Clara, que ensinem que “mulher bêbada não tá te convidando”, “não é para dar em cima da passageira”. O mínimo — que tantas vezes não é praticado, colocando a vida e os direitos das mulheres em risco.

Clara publicou um vídeo hoje esclarecendo alguns pontos sobre o acontecimento, a definição de estupro, as cobranças sobre o agressor e tudo que tem vivido.

As hashtags já foram compartilhadas centenas de vezes, no Facebook, Instagram e Twitter, colocando luz sobre a gravidade do problema.

https://www.facebook.com/nina.lemos/posts/10212114293945648

As histórias envolvem mulheres de diferentes idades, classes e lugares.

#MeuMotoristaAbusador #MeuMotoristaAssediador Eu tinha 14 anos.Eu estudava alemão em uma escola distante do meu…

Posted by Ana Paula Cruz on Tuesday, August 29, 2017

Continua após a publicidade

E as denúncias não são exclusivas de apenas uma empresa.

A atleta Joanna Maranhão usou o Instagram para prestar solidariedade a Clara Averbuck, relembrar o pesadelo dos próprios assédios e como a violência sexual ataca a maior parte das mulheres no Brasil e no mundo.

View this post on Instagram

Quando fui abusada aos 9 anos eu calei. Quando entrei na puberdade e vi meu corpo mudando, eu não queria ser reconhecida como mulher, aquilo pra mim é sinal de perigo. Passei a usar roupas largas, tirei brinco, cortei o cabelo. Minha mãe pensou que eu era lésbica. Quando eu andava na rua e as pessoas apontavam "aquilo é uma menina ou um menino?" Eu sentia alívio. A dúvida deles era minha segurança. Mas chega de falar de mim. Eu estou aqui pra falar de Clara. Clara foi estuprada por TRÊS HOMENS quando adolescente. Eu a conheci na gravação de um documentário e ela me confidenciou que após a gravação teve crise de depressão. Eu entendo. O gatilho é foda. Ontem falei com Clara e ela tava numa festa de nossos amigos de SP. Ela bebeu, pegou um uber e foi abusada por ele. A porra do gatilho, p fardo de ser mulher, a eterna insegurança. Minha sensação é de impotência. Clara vai enfrentar tudo mais uma vez. E esse enfrentamento é eterno, então, no caso dela, vai ser em looping. Ela é um furacão, fez de sua dor enfrentamento, é uma escritora foda, uma feminista que ensina, milita, transforma. Eu sou Clara hoje e você também. Seja você mulher ou não. A cultura do estupro existe e a culpa não é da gente, não é do quanto a gente bebeu nem do que a gente veste. A culpa é do abusador. Ponto. E não me venham com mais violência como solução pra um problema sistêmico. O discurso "ah se acontecesse com vc ou alguém de sua família" ACONTECEU. Comigo, com Clara e com uma porrada de mulher enquanto você lê esse post. O feminismo existe pra isso. Ele é necessário. E ele vai transformar o mundo. . #meumotoristaabusador

A post shared by Joanna Maranhão 🍼👶🏾🏊🏽‍♀️♀️❣️🌼 (@jujuca1987) on

Continua após a publicidade
Publicidade