Marielle Franco: O que as mulheres que estavam no ato têm a dizer

CLAUDIA conversou com algumas das manifestantes durante a marcha Contra o Genocídio Negro por Marielle Franco

A vereadora Marielle Franco, assassinada a tiros na quarta-feira (14), era uma voz poderosa na luta a favor das minorias. Ela fazia barulho e trabalhava em prol de quem não costuma ser escutado: mulheres, pessoas negras, moradores da periferia, pessoas LGBT.

Coluna da Patrícia Zaidan: Nenhuma Marielle a menos

Durante o ato Contra o Genocídio Negro por Marielle Franco, em São Paulo, realizado nesta quinta-feira (15) em solidariedade à vereadora e ao motorista Anderson Gomes, também assassinado na ocasião, conversamos com algumas mulheres presentes para ouvir o que as motivava estar ali. A resposta principal foi: para não calarem a voz e as lutas de Marielle.

Veja: