Mãe e filha criam plataforma para ajudar crianças na hora da lição

Ao lado da filha, a educadora Roberta Bento motiva as crianças a estudar com prazer

Há 50 anos, quando Roberta Bento nasceu, em São José dos Campos (SP), os médicos avisaram a família que ela teria dificuldades de aprendizagem por causa de uma paralisia cerebral. Assustados com a possibilidade de a filha não conseguir acompanhar os conteúdos na escola, os pais se dedicaram a incentivá-la. Contra os prognósticos, porém, ela desenvolveu apenas uma leve dificuldade motora e virou a caxias da turma. Formada em letras, Roberta foi investigar o que os pais haviam feito para motivá-la. Também se acostumou a prestar socorro a famílias próximas, que tinham curiosidade sobre a boa relação que mantinha com a filha, Taís, hoje com 26 anos e pedagoga. Seus conselhos e descobertas resultaram na plataforma Socorro! Meu Filho Não Estuda, criada pelas duas em 2014. No site, elas publicam dicas e respondem a dúvidas gratuitamente. Em novembro daquele ano, Roberta deixou o cargo de vice-presidente de uma rede internacional de franquias de um projeto que integra educação e tecnologia e passou a se dedicar exclusivamente à plataforma.

“Chego em casa cansada e meu filho não fez a lição” e “Ele não sai do celular para estudar” estão entre as mais de 30 reclamações enviadas semanalmente à dupla. Em 2015, elas lançaram um livro com o nome da plataforma e passaram a dar palestras. Em breve, estreiam um programa de televisão com a Europa Filmes. E, neste ano, vão iniciar uma consultoria particular: Roberta e Taís entrarão em lares Brasil afora para ajudar crianças e adolescentes a se organizar e a se encantar pela ideia de aprender – uma espécie de supernanny do ensino. Elas lembram, porém, que os pais são insubstituíveis nesse processo. “O filho pode estar na melhor escola do mundo. Se eles não fizerem seu papel, o desempenho ficará aquém do possível”, afirma Roberta. Um dos conselhos aos genitores: elogiar os pequenos quando cumprirem as tarefas do dia a dia – autoestima é fundamental para a aprendizagem. “Mas elogie apenas pelas tarefas realizadas, como recolher os brinquedos, e não sem motivo.” Além disso, ela recomenda experiências em família que possam servir de estímulo para absorver melhor os conteúdos. Viajar ou visitar lugares diferentes, por exemplo, ajudará a criança a gostar de aprender.