Lotte Reiniger: a diretora de cinema ofuscada pela Disney

A animadora alemã criou o primeiro desenho animado muito antes de Walt Disney, mas seu trabalho ainda é pouco conhecido

Quando falamos de desenhos animados e animações num geral, desde os clássicos aos atuais, é quase impossível não associar à Disney. Branca de Neve, Peter Pan, Cinderela… essas produções marcaram a infância de muitas pessoas e continuam conquistando gerações mundo à fora. O que poucos sabem, é que Walt Disney não foi o primeiro produtor de animações no mundo.

A pioneira na verdade foi a diretora alemã Lotte Reiniger. Porém, em decorrência do machismo estrutural, sua história e genialidade ainda são pouco conhecidas.

Desde criança, Lotte já tinha uma paixão, que era transformar bonecos de papel e madeira em animaçõesSeus diversos trabalhos no campo da ilustração com técnica de paper cutting tornaram-se conhecidos publicamente através de suas ilustrações de livros. Porém, poucas pessoas conhecem sua técnica que revolucionou o cinema: o teatro de sombras. Além do estilo, as histórias de Lotte envolviam grandes aventuras. 

A diretora criou a câmera “multiplano”, em 1923. A ferramenta possibilitava usar placas de vidro, uma distante da outra, para criar cenários que dão a ilusão de “distância”. Foi com a criação desse objeto que Lotte lançou a primeira animação mundial chamada As Aventuras do Príncipe Achmed”, em 1926

POLÊMICA COM WALT DISNEY

Walt Disney já vinha estudando a câmera multiplano. O que poucos sabem é que o cineasta desenvolveu uma câmera mais sofisticada a partir da ideia de Lotte e, em seguida, patenteou-a como sendo sua própria ideia. O resultado desse feito foi “A Branca de Neve e Os 7 Anões”, em 1937, 10 anos depois da invenção de Reiniger. Juntando o machismo, ceifador de toda a credibilidade de Lotte, com a parceria entre Walt Disney e Hollywood, “A Branca de Neve” é até hoje reconhecido como o primeiro desenho animado criado.

VÍTIMA DO NAZISMO

Além de toda a falta de reconhecimento, Lotte Reiniger também sofreu com o regime nazista. Quando Hitler monopolizou a Alemanha, ela e seu marido Carl Koch (onde conheceu através dessa relação com as animações) deixaram a Alemanha, mas descobriram que nenhum outro país poderia dar-lhes vistos permanentes. Isso fez com que ambos migrassem de país para país sucessivamente. O protesto do casal contra o nazismo era produzir filmes de cunho antifascista.

No início da II Guerra Mundial, Lotte e Carl foram obrigados a retornar à Berlim para cuidar da mãe doente de Reiniger. Sob o governo de Hitler, ela foi forçada a fazer filmes de propaganda para a Alemanha (ex: Die goldene Gans  ou O Ganso De Ouro, 1944). Além disso, tinha que trabalhar sob condições rigorosas e limitadas.

No fim da guerra, a animadora mudou-se para Londres e continuou seu trabalho. Foram mais de 40 produções feitas, sendo um de seus grandes sucessos a adaptação de “A Polegarzinha”, em 1954. Lotte Reiniger veio a falecer em 1981 aos 82 anos.

Mais lidas: Túlio Gadêlha, namorado de Fátima, está com Lula no sindicato