Clique e assine com até 75% de desconto

França elege sua primeira prefeita trans

Com propostas de sustentabilidade e fortalecimento da economia local, Marie Cau venceu as eleições indiretas da cidade de Tilloy-lez-Marchiennes

Por Da Redação Atualizado em 25 Maio 2020, 19h11 - Publicado em 25 Maio 2020, 16h05

No último sábado (23) fez-se história na pequena comuna de Tilloy-lez-Marchiennes, no nordeste da França. Com propostas de sustentabilidade ecológica e fortalecimento da economia local, a engenheira e técnica em agricultura Marie Cau, de 55 anos, se tornou a primeira mulher trans a ser eleita para o cargo de prefeita no país.

Localizada na fronteira com a Bélgica e com uma população de cerca de 600 habitantes, a comuna realizou suas eleições municipais indiretas em março, escolhendo um grupo de vereadores, incluindo Cau. No sábado, este grupo então decidiu quase que em unanimidade por torná-la prefeita.

  • Em entrevista à agência de notícias AFP, Cau declarou que deseja focar na política municipal, não se considerando uma ativista. “As pessoas não me elegeram por eu ser ou não transgênero, elas elegeram uma campanha”, disse ela, que espera impacientemente pelo dia em que esse tipo de acontecimento deixe de se tornar um evento. Contudo, reconhece que sua eleição ajuda a “trivializar” e mostrar que “pessoas trans podem ter uma vida social e política normal.”

    A vitória de Cau foi celebrada por ativistas da igualdade de gênero e da causa LGBT+ na França. Marlène Schiappa, ministra da igualdade de gênero no país, fez uma publicação no Twitter parabenizando e apoiando a nova prefeita de Tilloy-lez-Marchiennes. “A visibilidade trans e a luta contra a transfobia também dependem do exercício de responsabilidades políticas e públicas. Parabéns Marie Cau!”, disse.

    Stéphanie Nicot, cofundadora da Associação Nacional Transgênera da França, afirmou que a eleição mostra que “nossos cidadãos estão mais e mais progressivos” por votarem no valor dos indivíduos, independentemente de suas identidades de gênero.

  • Todas as mulheres podem (e devem) assumir postura antirracista

    Continua após a publicidade
    Publicidade